Avançar para o conteúdo principal

"Ingarnal"

Hoje, na companhia do Silvério, fomos "cheirar" as eólicas da Serra da Maúnça, subindo à "empoleirada" Aldeia do Ingarnal, com os seus sete kms em ascensão, puxando pelas nossas esforçadas "fininhas".


Saímos da cidade pelas 08h em direcção á Lameirinha, onde era previsto tomar o cafézinho matinal.

Passámos pelo Salgueiro do Campo e Padrão. Depois de reativados com a cafeína, descemos a Almaceda e demos início à bonita subida ao Ingarnal, com uma envolvente paisagística espetacular.

Desta vez não subi ao limite do alcatrão, no caminho para as eólicas e que dá acesso à Foz do Giraldo, em estradão. Seriam mais três duríssimos kms, onde o meu "aparelhinho" declara uma média de pendente de 15%.

A descida é fantástica, onde as pequenas aldeias que pululam por aquelas serranias, dão um toque mais colorido na paisagem.

Em Almaceda, a velocidade foi reduzida drásticamente.


O piso em paralelo assim obriga e a minha "anorética" não gosta muito desse tipo de piso.

Subimos à Portela da Lameira e de novo pela Lameirinha, rumámos à cidade.

Efetuámos uma segunda paragem no Salgueiro do Campo, para nos refrescarmos e continuámos o nosso passeio de hoje, com chegada pelas 11h50, com 79 kms pedalados numa bela manhã, propícia à prática deste salutar desporto.


Fiquem bem.

Vêmo-nos nos trilhos.

. . . ou fora deles.

AC

Comentários

Anónimo disse…
Caros
No seguimento de algum feedback que me tem chegado, sou forçado a deixar aqui um pequeno esclarecimento:
Não se iludam, eu continuo fraquinho-fraquinho, como sempre.
Os percursos que tenho feito com a minha "elegante"(gosto mais do que anoréctica), em estrada, com tais distancias, acumulado de subidas, médias, etc..., acontecem porque em grande parte, ou melhor, quando possível e o consigo, é como se estivesse a pedalar num túnel de ensaios, ihihihih.
OK, de vez em quando (se calhar podia dizer raramente e algumas delas porque sou obrigado, eheheheh) dou uma ajudinha.
Mas há duas coisas que tenho de vos dizer:
1ª - São, TODAS, voltas ESPECTACULARES, pela forma agradável e tranquila como pedalamos, as paisagens e aldeias que desfrutamos, sempre a conhecer novos recantos desta bela região (e não só), os dois dedos de conversa que sempre damos, ou o simples bom dia ou boa tarde, a pessoas conhecidas e a maior parte que nem conhecemos, enfim, tudo bom e do melhor.
2ª Mas existe um grande problema, facilmente criam dependência, um verdadeiro vicio, que só se mata com mais, e mais, e mais.
Antes, pensava que só no BTT se tinha direito à maioria das coisas ditas atrás, mas, de há um par de anos para cá vi que não era verdade, também existe na ESTRADA, é só querermos.
Tenho de deixar aqui um GRANDE OBRIGADO ao António, por me ter ensinado isso, e, já agora a paciência que tem para tal.
UM GRANDE ABRAÇO PARA TODOS
Silvério
Pinto Infante disse…
amigo Silvério, e amigo Cabaço. Por acaso conheço esse Ingarnal, diria Infernal na companhia do meu amigo Carlos do Juncal, em virtude dum passeio de fim de semana que culminou numa bela almoçarada no restaurante "A NAVE"
Se me é permitido tentem fazer aquelas eólicas que se vislumbram lá bem no alto em BTT. é brutal.
abraço e belos trilhos
Pinto Infante
Jose Martins disse…
Se alguem duvida que a terra é redonda suba lá acima ao Cabeço Sobreira e dali verá o Mundo.
Eu sou do Ingarnal,agradeço o vosso comentário e espero que vão lá mais vezes.

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…