Avançar para o conteúdo principal

"Maratona de Portalegre"

Já tinha ficado farto de Portalegre. 5 anos chegaram para percorrer os trilhos de S. Mamede.

De trás para a frente, da frente para trás, da direita para esquerda, da esquerda para a direita. Eu sei lá!!! Já tinha, por isso mesmo, decidido não voltar lá. Errado!!!


O amigo Silvério, tanto me "chateou", alegando que nunca lá tinha ido, que quase toda a gente já lá foi e ele não, blá blá blá, até que num momento de fraqueza, acedi, quase com as lágrimas nos olhos. eh eh eh!!!


Bem, fiquei tão emocionado com a "choraminguice", que até me esqueci que no dia seguinte, era o dia da minha peregrinação a Fátima. Por isso, lá vou ser penitenciado com mais uma centena e meia de kms com a "fininha", desta vez a elegante Canyon Aeroad CF 9.0 SL, depois dos 110 kms de hoje na maratona.


O Pedro Barroca também nos acompanhou este ano e, pelas 06h45, lá fomos os três em direção a Portalegre.


Efetuámos uma paragem nos Fortios, para a intoxicação matinal de cafeína, no Café Cocas.

Chegámos ao parque, estacionamos a viatura e calmamente, retirámos e preparámos as bikes e restante "tralha" e fomos em direcção à grelha da partida, no km 0.


Pelas 09h foi dado o tiro de partida e aquelas largas centenas de betêtistas puseram-se em marcha, numa bonita panóplia de côres e movimento.


Este ano, a organização decidiu, e bem, fazer aquele longo pelotão efectuar quase 10 kms na periferia da cidade e alguns arruamentos, proporcionando que a malta se espalhasse atempadamente.


À entrada para os trilhos, foi efectuada a separação com a meia-maratona, outra boa decisão.

Assim, desde o primeiro ano em que participei na maratona, e com este foi o sexto, nunca antes tinha conseguido percorrer todo o percurso sem me apear, derivado a engarrafamento. Espetáculo!!!


O percurso, um pouco duro como sempre e, este ano, bem recheado de descidas técnicas, algumas bastante longas, proporcionando um gozo acrescido à rapaziada mais dotada técnicamente.


Os três, lá fomos percorrendo e "saboreando" o percurso, bem à nossa moda, contemplando e convivendo durante todo o tempo, mas com o nosso ritmozinho e com paragens em todos os abastecimentos, pois pelo preço da inscrição nada se podia desperdiçar. eh eh eh!!!


Houve ainda tempo para tirar algumas fotos e divertir-nos na cavaqueira, onde o irrequieto Silvério, não deixa niguém sisudo.


Partimos os três e chegámos os três. Era esse o nosso objectivo. Não houve sacrifícios para esperar por ninguém. Iamos quase como turistas. Gostei!!! Mas mesmo assim, acho que esta foi mesmo a última vez. Este tipo de eventos já nada me dizem. Já experimentei quase tudo e é cada vez mais do mesmo. Frenesim, despiques entre uns e outros, tempos para contar lá na terra e "escarrapachar" no facebook, se forem bons ou assim assim. Se esta ou aquela prova, como vulgarmente denominam os passeios, dão ou não jersey, eu sei lá!!! Ainda há uns grupitos e mesmo uns solitários que pedalam, pela "velha escola", mas creio que já estão em vias de extinção. Agora anda-se por aí a luzir bonitos jerseys de passeios onde participaram e alguns, nem os concluiram e outros, nem mesmo os começaram, por este ou aquele motivo.


Eu, enquanto as pernitas o consentirem, vou tentando criar por aí uns percursozitos, para depois partilhar com os amigos que me queiram acompanhar. Sem tempos, nem jerseys todos "janotas", apenas para convivermos e darmos umas pedaladas alegres e descontraídas e no final, quando se proporcionar, beber um copito, numa boa. Pois, como costumo referir . . . o que eu gosto mesmo é de pedalar!!!


Depois da chegada a Portalegre, pouco passava das 16h, levantámos o saquinho do lanche e sentámo-nos um pouco no jardim a repor energias e apreciar o ambiente em nosso redor.


Seguimos depois para a zona de banhos, arrumámos as bikes, tirámos o pó do corpinho e fomos tratar deste, com uma sopinha de cação e uma "chicha" de porco à alentejana, acompanhada com umas imperiais para uns e uns tintinhos para outros.



Regressámos então a ponto de partida, a nossa bela cidade, para no dia seguinte, pelas 06h, darmos início à segunda parte deste atípico fim de semana, com a nossa Peregrinação a Fátima, acompanhados das respectivas famílias.

Fiquem bem

Vêmo-nos nos trilhos.

. . . ou fora deles.

AC

Comentários

Anónimo disse…
O Silvério é daqueles bacanos que se não nascesse era inventado, e ainda bem que nasceu pois duvido que surgisse por ai 1 invento que levasse outra vez o AC a Portalegre, mas em boa hora o fez e lá fomos pois passamos mais 1 bela jornada onde não faltou nenhuma das coisas boas que levam a rapaziada a juntar-se para curtir com isto de dar ao pedal.
P.S. Amigo AC, veja lá bem essa historia dos Jersey's pois se não houver disso na "Gata" sujeita-se a vir de lá em tronco nu. He He.
1 grande abraço e obrigado pela companhia.

Pedro Barroca

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…