Avançar para o conteúdo principal

"Sarnadas de S. Simão"

Hoje, na companhia do amigo Silvério, resolvi levar a Canyon Aeroad até às Sarnadas de S. Simão, com o intuito de sentir o seu comportamento na subida do Pé da Serra (com duas secções de 13% e 15%) e na longa descida da Foz do Giraldo à ponte do Chão da Vã.

Já saímos tarde, pelas 09h e tomámos a direcção de Sarzedas, com passagem por Taberna Seca, Vilares e Cabeço do Infante.

Virámos à direita, já em direcção às Sarnadas de S. Simão, onde nos esperava um lanchinho, na casa da sogra do Silvério.


Passámos na Azenha de Cima, Magueija e Pé da Serra. A partir daqui, seguiu-se uma longa subida, com três duras secções e onde pretendia sentir o comportamento da bike.

Já tinha feito ums subiditas, mas ainda não estava bem adaptado à máquina, nomeadamente ao guiador e avanço mais estreitos do que uso nas minhas bikes, assim como as desmultiplicações, com os últimos ressaltos de carreto de três dentes.


Já na subida do Rio Ocreza aos Vilares tinha gostado e, na do Pé da Serra, fiquei rendido. A Canyon Aeroad é uma excelente trepadora. Se eu o noto, um vulgar cicloturista, quem a usar em ritmos competitivos, melhor notará o seu excelente rendimento. A "menina" é obediente e rápida de reações.

Fácilmente se consegue manter uma velocidade constante em subida. Gostei imenso!

Nas Sarnadas, lá parámos, junto à casa da sogra do Silvério e alí tomámos o cafézinho matinal e quase que posso dizer, que o que nos desse na gana, pois a mesa era farta.

Já com o corpinho aconchegado, encetámos o regresso à cidade.

Mais umas subiditas, desta vez mais ligeiras, até ás proximidades da Foz do Giraldo, onde descemos durante uns bons kms até à Ponte do Chão da Vã.


Apesar do vento frontal, que me impediu de me lançar na descida (eu é que me cortei, chiça!), a máquina, apesar das rodas de perfil alto, manteve-se estável, para a situação e, foi-me dando confiança para ir aumentando a velocidade. As rodas, umas Mavic Cosmic SL, portam-se lindamente, apesar de não serem nenhum peso pluma, mas muito estáveis e umas excelentes roladoras. "Vestem" bem esta Canyon Aeroad CF 9.0 SL, além de lhe darem uma estética fabulosa, na minha opinião. Passámos depois o Salgueiro do Campo e chegámos à cidade pelas 13h com 81 kms percorridos, num percurso com uma primeira parte mais montanhosa e uma segunda mais rolante, onde a Canyon Aeroad se mostrou muito à vontade e, mais estaria, se o "montador" tivesse "caneta" para ela.


Agora vou descansar um dia, para me preparar para a minha dura missão de "babysiter" do Silvério na Maratona de Portalegre, no próximo Sábado e, para o levar pelo "bibe" a Fátima, no Domingo, na minha peregrinação anual, onde vai fazer a sua estreia.

Fiquem bem.

Vêmo-nos nos trilhos

. . . ou fora deles.

AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…