Avançar para o conteúdo principal

""Por S. Miguel D'Acha e Vale Prazeres"

Hoje fui dar a segunda voltinha com a Canyon Aeroad.

Fiz mais alguns ajustes pessoais e fui para a estrada.

Fez-me companhia o amigo Silvério e rumámos a S. Miguel D'Ácha, com passagem em Escalos de Baixo, Escalos de Cima e S. Gens.

Hoje fiz a subida de S. Gens em ritmo contínuo e com um andamento mais pesado, com intenção de, não só fazer um teste à máquina, pois trás desmultiplicações diferentes das que eu estou habituado, mas também para me testar a mim próprio.




Quanto á máquina, continuo a gostar do seu desempenho. Quanto á minha pessoa, ainda estou muito aquém do que necessito para a minha "brincadeira" deste ano, a ligação Suiça - Portugal. Mas sinto que estou no bom caminho.

Em S. Miguel, parámos no café da D. Maria para a intoxicação de cafeína, aproveitando para pôr a conversa em dia.

A direcção agora era Alpedrinha, por Vale de Prazeres, com a sua já conhecida subida.

De S. Miguel a Vale Prazeres, é uma estrada onde se faz um bom treino, para quem vai com esse intuito.




Depois da descida inicial até á ponte, é um constante sobe e desce. Um "rompe piernas", como dizem os "nuestros hermanos!!!

Em Vale Prazeres iniciámos a subida à fonte, sempre em bom ritmo, mas sem exageros. A intenção era começar e acabar à mesma velocidade. E foi o que aconteceu.

Parámos então na fonte para abastecer os bidons e continuámos em direcção a Castelo Branco, aumentando substancialmente a velocidade, pois a partir de Alpedrinha, é tudo a favor.

Abrandámos em Alcains, para descongestionar e oxigenar um pouco os músculos, já um pouco doridos e assim continuámos até á cidade, na conversa.




Chegámos pelas 12h00, com 84 kms pedalados e, desta vez, não houve sossega para ninguém. O ritmo imposto hoje, fez alguma mossa e queríamos era descansar.

Quanto ao Silvério, tenho que dizer o seguinte. Aquele companheiro, com rédea curta, vai onde quer e a qualquer ritmo. Pena, é quando se pica e desperdiça energia "a rodos", além de ser um pouco preguiçoso a mexer na "alavancazinha" das mudanças.

Desculpa lá a "boca" companheiro, mas a intenção agora é mesmo "picar-te".

Hoje gostei imenso do teu desempenho, até já vinha com receio de me faltar a "caneta". eh eh eh!

Fiquem bem.

Vêmo-nos nos trilhos

. . . ou fora deles.

AC

Comentários

Anónimo disse…
My friend, à maneira facebook: I LIKE.
Sabes uma coisa começo a ficar muito preocupado, os meus índices de dependência da "PPPP" estão cada vez mais altos, acho que já estou viciado.

Como resposta aos teus doutos comentários:
1º - Reconheço que eu não me "caracterizava" melhor.
2º - Para ultrapassar o problema das mudanças e acabar com essa limitação, já estou a trabalhar numa solução com a Campagnolo, a Shimano e a SRAM -> CAIXA AUTOMÁTICA, depois vais ver como é.
3º Desculpas? Não são merecidas, eheheheh.
4º Picadelas? PICA PICA QUE ATÉ CHEGARES AOS MIOLOS TENS MUITO QUE PICAR, ahahahah!!!
Um grande abraço
Silvério
BTT-ALBI disse…
Eh pá cum catano ! voçes assim a treinarem vão a Portalegre e limpam aquilo numa boa.
Quanto a "Picadelas" o Silvério já é um "expert" que o digam as abelhas dos Bugios !!!
1 abraÇo.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…