Avançar para o conteúdo principal

Passeio asfáltico até à Rotunda do Rio Aravil"

Hoje, foi dia de pedalada asfáltica.
Pelas 07h00, fui ter com o Jorge Palma à Rotunda da Racha e fomos fazer uma "passeata" de bicicleta asfáltica.
Já há muito tempo que não conseguia ir tanto tempo à conversa em cima de uma bicicleta de estrada.
Sempre em pedalada descontraída, saímos da cidade pela Carapalha em direção a Monforte da Beira.
Parámos no café do Joaquim Padeiro, que hoje estava ausente, sendo substituído pelo Tó, um amigo que já não via há algum tempo e que fez questão de nos oferecer os cafezinhos.
Dois dedos de conversa e seguimos rumo ao Ladoeiro, sempre na converseta e absorvendo a paisagens daquelas bonitas planuras.
Chegados ao Ladoeiro, resolvemos seguir pela panorâmica estradinha da campina que nos levou até ao alto, quase junto ao cruzamento da Herdade da Tábua.
Seguimos pelas longas e onduladas retas até à rotunda do Rio Aravil, fletindo para a direita, de novo em direção ao Ladoeiro, onde efetuámos nova paragem para cumprimentar o Ti Valente e beber uma bebida refrescante, e "nêga", claro!
O tempo quase que parou e como ainda era cedo, ainda as 10h não tinham sido badaladas pela sino da igreja do Ladoeiro, palavra puxa palavra, tema sobre tema, por ali estivemos entretidos na conversa.
Não temos o problema das dores de pernas quando paramos. A nós dói-nos sempre . . . quer parados, quer em andamento. Por isso!!!
Lá resolvemos regressar à cidade e abandonámos o Ladoeiro em direção à Monheca, a única dificuldade do dia.
O calor já abrasava e na subida sentiu-se bem, pois a camisolinha já agarrava ao corpinho.
Quando chegámos aos Escalos de Baixo, fomos surpreendidos pelo Ti João, que estava acompanhado do Tó Pinto e do Fernando. Tinham então chegado da sua voltinha.
Mais uns bons minutos de conversa com um homem que admiro, pela sua simpatia e simplicidade.
Um exemplo para muitos, que pela forma como encaram este desporto, nunca lhe chegarão aos calcanhares!
Depois das sempre cordiais despedidas, seguimos para a cidade, agora na companhia do Fernando e do Tó Pinto.
Chegámos cedo à cidade e abancámos na esplanada do café Lusitano para beber umas jolinhas "nêgas", morder uns tremoços e conviver um pouco.
O Tó Pinto seguiu caminho e nós os três por ali nos entretivemos até que a barriguinha começou a dar horas. estava na hora do almocinho e do banhinho retemperador.
88 kms numa boa. Excelente companhia, ampliada a partir dos Escalos de Baixo e uma tertuliazinha para ir convivendo com os amigos, preencheram esta bonita manhã velocipédica.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…