Avançar para o conteúdo principal

"Dia 4 . . .Da Playa de Cirro a Betanzos"

Depois de uma noite bem dormida no bungalow do Camping Velo-Mar a escassa dezenas de metros da Playa de Cirro, preparámos as bikes e os alforges que carregámos nas ditas, e pusemo-nos a caminho.
Tivemos desta vez que arrancar a seco, pois ainda não havia "desayunos" no camping.
Desta vez, o dia amanheceu brilhante, a antever um belo dia solarengo, apenas contrariado pela acentuada subida que tivemos que vencer antes de chegar ao Souto, onde entrámos na verdejante floresta.
O aquecimento foi rápido e o suor chegou cedo aos nossos corpinhos.
Com a passagem por Fontán, pequeno "poblado" sem qualquer boteco onde pudéssemos tomar o pequeno almoço, chegámos finalmente a Sada, uma bonita cidade costeira, terra de pescadores, escarpas abruptas, praias virgens e castros ocultos, onde finalmente conseguimos "desayunar" numa simpática pastelaria.
Cruzámos depois o seu bonito porto marítimo e rumámos a A Insua, depois de passar por Pedrido, com a sua espetacular enseada, onde o Rio Anllóns despeja as suas águas e se une ao Atlântico.
Deixamos A Insua, contornado a baía e seguimos para a Ponte do Porco, Miño, Rio de Bañobre, Perbes, Ventosa, Vizus e Pontedeume, numa primeira passagem, pois dirigíamo-nos a Ferrol, ao encontro do Km 0 do Caminho Inglês de Santiago.
Seguiu-se Cabañas, Madalena, Vilar do Colo, Chamoso e Foxas, cruzando depois a Ria de Ferrol pela sua bonita Ponte das Rias.
Já estávamos em Ferrol e quase sempre paralelos à ria, lá chegámos ao Porto Marítimo de Coruxeiras, onde do outro lado, junto à esplanada do café aí existente, encontrámos o marco, onde se encontra a placa que indica o km 0 e ponto de início do Caminho Inglês de Santiago.
Subimos por uma estreita rua empedrada e lá no alto, junto ao jardim, com uma bela panorâmica sobre a ria, resolvemos parar para almoçar, na esplanada de um bar ai existente.
A placa indicativa de "raciones, bocadillos, etc" é sinal de paragem, quando chega a hora de ajeitar o estomago com comidinha.
E assim foi. O "Raxo", a nossa comida oficial desta aventura galega, voltou à mesa, acompanhada das belas "cañas". Só que desta vez, o dono, talvez por analfabetismo, ou pensando que eramos "camones", ou portuguesitos de 3ª., cobrou umas "cañas" a mais, apresentando uma fatura, onde todas as parcelas tinham o mesmo nome "varios".
Tive de o chamar à atenção, e este, sem mais nada, devolveu o dinheiro cobrado a mais ao meu irmão, que tinha já pago a fatura.
Chiça, já não se pode andar mal vestido!!!
Saímos dali e cruzámos parte de Ferrol por ruas "pedonais" e voltámos a descer à zona ribeirinha,  contornando a Ria de Ferrol até Neda.
Afastámo-nos de Neda em direção a Fene, com umas bonitas passagens em passadiços de madeira e voltámos a ter a ria como companheira, desta vez a de Ares, que depois de passar novamente por Foxas e Chamoso, passámos através da sua ponte, para entrar depois em Pontedeume, uma bonita vila de passado medieval, situada na foz do Rio Eume e na encosta do Monte Breamo.
Cruzada a ponte, passamos pelo estreito arco e vencemos a forte subida através das suas ruelas intermináveis.
Após esta longa e suada subida, continuámos em direção a Miño, onde já tínhamos passado algumas horas atrás.
A partir da Ponte do Porco, afastámo-nos definitivamente do trajeto que trazíamos desde a Playa de Cirro e começamos a entrar no interior.
As subidas passaram a ser constantes e sucediam-se umas às outras, com maior ou menor inclinação.
O final do dia aproximava-se, assim como nós nos aproximávamos de Betanzos, onde chegamos após passagem por Montecelo, para chegar à sua bonita Praza dos Irmáns Garcia Naveira.
Betanzos foi batizada pelo romanos como "Brigantiun".  Situa-se numa colina onde antigamente se encontrava um castro, ao fundo da Ria de Betanzos, onde a água do mar se funde com a doce dos Rios Mandeo e Mendo. Foi uma das sete capitais do Antigo Reino da Galiza e está declarada conjunto histórico - artístico.
Acabámos por ficar no Albergue Casa da Pescaderia, seguindo as placas desde a "Praza" e ali perto.
Ficamos bem alojados no primeiro piso, quase só para nós, acabando por também vir a ser ocupado por quatro portuguesas que estava a fazer o caminho a pé.
Mal demos por elas. Chegaram tarde e saíram cedo! A única recordação que ainda tenho das mesmas é que lhes dispensei um gel recuperante, pois uma delas vinha um pouco em "mau estado" e da roncaria que fizeram duramente toda a noite.
Como o albergue fechava portas às 22h00 e quem não estivesse, ficava na rua, fomos tratar da "janta" numa das ruelas junto à praça principal, onde abancámos num castiço bar, de ambiente bem acolhedor e nos despedimos da nossa comida oficial, o "Raxo".
Um excelente dia de aventura, com entrada já no Caminho Inglês, que inciámos e Ferrol e que se caracteriza sobretudo pelo verde dos seus bosques.
Fizémos neste dia 105 kms, alcançando em pleno os nossos objetivos.
Para o dia seguinte e último da nossa passagem por terras galegas, faltavam só 75 kms para entrarmos finalmente na imponente Plaza de Obradoiro e na grandiosa Catedral de Cantiago de Compostela.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…