Avançar para o conteúdo principal

"Dia 4 . . .Da Playa de Cirro a Betanzos"

Depois de uma noite bem dormida no bungalow do Camping Velo-Mar a escassa dezenas de metros da Playa de Cirro, preparámos as bikes e os alforges que carregámos nas ditas, e pusemo-nos a caminho.
Tivemos desta vez que arrancar a seco, pois ainda não havia "desayunos" no camping.
Desta vez, o dia amanheceu brilhante, a antever um belo dia solarengo, apenas contrariado pela acentuada subida que tivemos que vencer antes de chegar ao Souto, onde entrámos na verdejante floresta.
O aquecimento foi rápido e o suor chegou cedo aos nossos corpinhos.
Com a passagem por Fontán, pequeno "poblado" sem qualquer boteco onde pudéssemos tomar o pequeno almoço, chegámos finalmente a Sada, uma bonita cidade costeira, terra de pescadores, escarpas abruptas, praias virgens e castros ocultos, onde finalmente conseguimos "desayunar" numa simpática pastelaria.
Cruzámos depois o seu bonito porto marítimo e rumámos a A Insua, depois de passar por Pedrido, com a sua espetacular enseada, onde o Rio Anllóns despeja as suas águas e se une ao Atlântico.
Deixamos A Insua, contornado a baía e seguimos para a Ponte do Porco, Miño, Rio de Bañobre, Perbes, Ventosa, Vizus e Pontedeume, numa primeira passagem, pois dirigíamo-nos a Ferrol, ao encontro do Km 0 do Caminho Inglês de Santiago.
Seguiu-se Cabañas, Madalena, Vilar do Colo, Chamoso e Foxas, cruzando depois a Ria de Ferrol pela sua bonita Ponte das Rias.
Já estávamos em Ferrol e quase sempre paralelos à ria, lá chegámos ao Porto Marítimo de Coruxeiras, onde do outro lado, junto à esplanada do café aí existente, encontrámos o marco, onde se encontra a placa que indica o km 0 e ponto de início do Caminho Inglês de Santiago.
Subimos por uma estreita rua empedrada e lá no alto, junto ao jardim, com uma bela panorâmica sobre a ria, resolvemos parar para almoçar, na esplanada de um bar ai existente.
A placa indicativa de "raciones, bocadillos, etc" é sinal de paragem, quando chega a hora de ajeitar o estomago com comidinha.
E assim foi. O "Raxo", a nossa comida oficial desta aventura galega, voltou à mesa, acompanhada das belas "cañas". Só que desta vez, o dono, talvez por analfabetismo, ou pensando que eramos "camones", ou portuguesitos de 3ª., cobrou umas "cañas" a mais, apresentando uma fatura, onde todas as parcelas tinham o mesmo nome "varios".
Tive de o chamar à atenção, e este, sem mais nada, devolveu o dinheiro cobrado a mais ao meu irmão, que tinha já pago a fatura.
Chiça, já não se pode andar mal vestido!!!
Saímos dali e cruzámos parte de Ferrol por ruas "pedonais" e voltámos a descer à zona ribeirinha,  contornando a Ria de Ferrol até Neda.
Afastámo-nos de Neda em direção a Fene, com umas bonitas passagens em passadiços de madeira e voltámos a ter a ria como companheira, desta vez a de Ares, que depois de passar novamente por Foxas e Chamoso, passámos através da sua ponte, para entrar depois em Pontedeume, uma bonita vila de passado medieval, situada na foz do Rio Eume e na encosta do Monte Breamo.
Cruzada a ponte, passamos pelo estreito arco e vencemos a forte subida através das suas ruelas intermináveis.
Após esta longa e suada subida, continuámos em direção a Miño, onde já tínhamos passado algumas horas atrás.
A partir da Ponte do Porco, afastámo-nos definitivamente do trajeto que trazíamos desde a Playa de Cirro e começamos a entrar no interior.
As subidas passaram a ser constantes e sucediam-se umas às outras, com maior ou menor inclinação.
O final do dia aproximava-se, assim como nós nos aproximávamos de Betanzos, onde chegamos após passagem por Montecelo, para chegar à sua bonita Praza dos Irmáns Garcia Naveira.
Betanzos foi batizada pelo romanos como "Brigantiun".  Situa-se numa colina onde antigamente se encontrava um castro, ao fundo da Ria de Betanzos, onde a água do mar se funde com a doce dos Rios Mandeo e Mendo. Foi uma das sete capitais do Antigo Reino da Galiza e está declarada conjunto histórico - artístico.
Acabámos por ficar no Albergue Casa da Pescaderia, seguindo as placas desde a "Praza" e ali perto.
Ficamos bem alojados no primeiro piso, quase só para nós, acabando por também vir a ser ocupado por quatro portuguesas que estava a fazer o caminho a pé.
Mal demos por elas. Chegaram tarde e saíram cedo! A única recordação que ainda tenho das mesmas é que lhes dispensei um gel recuperante, pois uma delas vinha um pouco em "mau estado" e da roncaria que fizeram duramente toda a noite.
Como o albergue fechava portas às 22h00 e quem não estivesse, ficava na rua, fomos tratar da "janta" numa das ruelas junto à praça principal, onde abancámos num castiço bar, de ambiente bem acolhedor e nos despedimos da nossa comida oficial, o "Raxo".
Um excelente dia de aventura, com entrada já no Caminho Inglês, que inciámos e Ferrol e que se caracteriza sobretudo pelo verde dos seus bosques.
Fizémos neste dia 105 kms, alcançando em pleno os nossos objetivos.
Para o dia seguinte e último da nossa passagem por terras galegas, faltavam só 75 kms para entrarmos finalmente na imponente Plaza de Obradoiro e na grandiosa Catedral de Cantiago de Compostela.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…