Avançar para o conteúdo principal

"Volta vadia por Martim Branco"

Hoje foi dia de volta vadia com a minha "santa".
Saí de casa cerca das 08h e resolvi rumar á bonita aldeia de Martim Branco, num percurso circular e deixando a mente escolher, consoante o cansaço e a vontade.
Abandonei a cidade pelo Valongo e na Caseta dos Cebolais, passei a ponte sobre a via férrea, para seguir o estradão para a abandonada aldeia da Azinheira.
Desci à Foz da Líria e por ali andei entretido, a espreitar alguns dos bonitos recantos da zona e, depois de cruzar o Rio Ocreza, subi aos Calvos, em direção à Nave.
Passei esta castiça aldeia e mais à frente, cruzei a N.233 para o vale do Espadanal.
Sempre por bonitos estradões, uns mais rolantes que outros, fui passando por Vinhas da Tapada Estacal, VG do Valeiro, Muvides, Feteira, Alagoas, subindo depois entre as aldeias de Camões e Chão da Vã, aos olivais do vale da Esteveira de Baixo
O velho caminho que cruzava aquele vale já desapareceu com o acrescento do olival, que está agora a ser completamente vedado.
Lá tive que andar à procura de alternativa, num esquerda direita, até que consegui encontrar caminho para as Carvalheiras, para onde queria ir e seguir o estradão para o Martim Branco.
A aldeia, bonita como sempre, encontra-se em fase recuperação, nomeadamente a antiga rua que, digamos assim, representa a velha aldeia, com as suas bonitas e peculiares casas de xisto a voltarem a ter vida.
Por ali me entretive algum tempo, indo depois até à fonte onde merendei calmamente, enquanto pensava qual o caminho que escolheria para o regresso.
Escolhi o pior, mas também o mais bonito.
Depois de uma primeira tentativa de passar a ribeira para o seguir pelo PR que sobe à meia encosta e segue para o Barbaído, logo desisti, ao verificar o estado em que o mesmo se encontrava, cheio de mato e em algumas zonas quase impenetrável.
Uma lástima para quem quer apostar no turismo rural.
Acabei mesmo por subir a serra, que me fez suar a estopinhas, enquanto a minha "santa" dançava na espessa caruma dos pinheiros caída no trilho e driblava as muitas pinhas por ali espalhadas. E eu a precisar delas para acender a minha lareira no inverno!
Fiz depois uma descidinha arriscada para a Várzea Fundeira, onde cruzei a ribeira, tomando o rumo ao Barbaído.
Passada a aldeia, lá fui galgando kms, passando pela Manssama, antes de chegar ao Juncal do Campo, optando por subir a aldeia pela sua rua principal, para variar.
Depois da aldeia, passei pela Lameira do Velho e Barroca do Fundo antes de cruzar Cafede em direção à Rabaça, onde passei o Rio Ocreza.
Já junto à N.18, resolvi parar na roulotte da "Tia Lulu" para mandar abaixo uma bifana e uma jolinha fresca.
Já há muito tempo que andava com ela fisgada e desta, foi de vez.
Até nem estava má, grelhadinha e com um saboroso pãozinho, soube que nem ginjas. Ficou registado!
Depois por uma rápida passagem por Alcains, junto à escola, fui para Santa Apolónia e por asfalto, segui para a Atacanha, para entrar na cidade pela zona do pinheiro Manso, após 83 kms de pedalada vadia, por montes e vales e como bem me deu na gana, parando ou pedalando, até por vezes falando sozinho, pois então. Um "naco" de mundo que não dispenso!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …