Avançar para o conteúdo principal

"Volta vadia por Martim Branco"

Hoje foi dia de volta vadia com a minha "santa".
Saí de casa cerca das 08h e resolvi rumar á bonita aldeia de Martim Branco, num percurso circular e deixando a mente escolher, consoante o cansaço e a vontade.
Abandonei a cidade pelo Valongo e na Caseta dos Cebolais, passei a ponte sobre a via férrea, para seguir o estradão para a abandonada aldeia da Azinheira.
Desci à Foz da Líria e por ali andei entretido, a espreitar alguns dos bonitos recantos da zona e, depois de cruzar o Rio Ocreza, subi aos Calvos, em direção à Nave.
Passei esta castiça aldeia e mais à frente, cruzei a N.233 para o vale do Espadanal.
Sempre por bonitos estradões, uns mais rolantes que outros, fui passando por Vinhas da Tapada Estacal, VG do Valeiro, Muvides, Feteira, Alagoas, subindo depois entre as aldeias de Camões e Chão da Vã, aos olivais do vale da Esteveira de Baixo
O velho caminho que cruzava aquele vale já desapareceu com o acrescento do olival, que está agora a ser completamente vedado.
Lá tive que andar à procura de alternativa, num esquerda direita, até que consegui encontrar caminho para as Carvalheiras, para onde queria ir e seguir o estradão para o Martim Branco.
A aldeia, bonita como sempre, encontra-se em fase recuperação, nomeadamente a antiga rua que, digamos assim, representa a velha aldeia, com as suas bonitas e peculiares casas de xisto a voltarem a ter vida.
Por ali me entretive algum tempo, indo depois até à fonte onde merendei calmamente, enquanto pensava qual o caminho que escolheria para o regresso.
Escolhi o pior, mas também o mais bonito.
Depois de uma primeira tentativa de passar a ribeira para o seguir pelo PR que sobe à meia encosta e segue para o Barbaído, logo desisti, ao verificar o estado em que o mesmo se encontrava, cheio de mato e em algumas zonas quase impenetrável.
Uma lástima para quem quer apostar no turismo rural.
Acabei mesmo por subir a serra, que me fez suar a estopinhas, enquanto a minha "santa" dançava na espessa caruma dos pinheiros caída no trilho e driblava as muitas pinhas por ali espalhadas. E eu a precisar delas para acender a minha lareira no inverno!
Fiz depois uma descidinha arriscada para a Várzea Fundeira, onde cruzei a ribeira, tomando o rumo ao Barbaído.
Passada a aldeia, lá fui galgando kms, passando pela Manssama, antes de chegar ao Juncal do Campo, optando por subir a aldeia pela sua rua principal, para variar.
Depois da aldeia, passei pela Lameira do Velho e Barroca do Fundo antes de cruzar Cafede em direção à Rabaça, onde passei o Rio Ocreza.
Já junto à N.18, resolvi parar na roulotte da "Tia Lulu" para mandar abaixo uma bifana e uma jolinha fresca.
Já há muito tempo que andava com ela fisgada e desta, foi de vez.
Até nem estava má, grelhadinha e com um saboroso pãozinho, soube que nem ginjas. Ficou registado!
Depois por uma rápida passagem por Alcains, junto à escola, fui para Santa Apolónia e por asfalto, segui para a Atacanha, para entrar na cidade pela zona do pinheiro Manso, após 83 kms de pedalada vadia, por montes e vales e como bem me deu na gana, parando ou pedalando, até por vezes falando sozinho, pois então. Um "naco" de mundo que não dispenso!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…