Avançar para o conteúdo principal

"Paredes de sirga no trilho das jans - PR1, em Btt"

Já há uns tempos que tinha planeado ir pedalar nas paredes de sirga que ladeiam a margem esquerda do Rio Tejo entre a barragem do Fratel e o embarcadouro da Amieira do Tejo.
Ontem foi o dia.
Aproveitando a companhia do Sandro Gama, fomos até Nisa na minha "fragonete" que estacionamos junto à churrasqueira, onde se comem umas belas bifanas.
Descarregamos e preparamos as bikes e restante material e fomos tomar o cafezinho matinal bum dos cafés do jardim.
Por asfalto e em jeito de aquecimento fomos até à Lameira das Pedrinhas, onde entramos nos trilhos, bastante enlameados por sinal. Uma autêntica dança entre paredes, até chegarmos ao Monte Claro a primeira aldeia que nos viu passar naquela manhã bem fresquinha.
Seguimos depois até à Falagueira, em trilhos mais abertos e menos lamacentos, cruzando eucaliptais até passarmos sob o IP2, apanhando o estradão para Vila Flor.
Depois da passagem pela velha ponte romana da Ribeira do Figueiró, subimos um pouco e viramos à direita para a Vinha da Ordem, onde desfrutamos da primeira vereda do dia, bem verdinha e engraçada..
Chegamos à cumeada, com uma vista soberba sobre o rio tejo e a barragem. Simplesmente soberbo!
Descemos ao rio por uma descida bem acentuada, onde o Sandro mostrou valentia ao descê-la sem apear. Aquilo é brutal! Eu cortei-me! Em determinada altura estava a ver que tinha que largar a bike e mandar-me para o lado. Ainda consegui desmontar a tempo!
Depois de umas dezenas de metros não cicláveis  em que foi necessário empurrar a "menina", entramos na parede de sirga. Um espetáculo e uma beleza impar, além de algo perigosa, pois estava um pouco escorregadia. Mas dava cá uma pica!!!
Foi o momento alto desta pequena aventura campestre ao pedalar naquela parede que acompanha o Rio Tejo, onde um pequeno descuido pode significar um banho forçado, uns metros mais abaixo de consequências imprevisíveis. Mas nada pode apagar aqueles momentos de adrenalina!
Chegamos ao embarcadouro da Amieira do Tejo, onde termina o trilho e subimos um par de centenas de metros em asfalto, para virarmos à direita, para a Tapada do Doutor, e entrarmos numa dura subida que nos levou praticamente á entrada da Amieira do Tejo e ao seu bonito castelo. Um belo exemplo da arquitetura gótica militar, onde fomos dar uma espreitadela
Subimos depois à colina onde a bonita e imponente Capela do Calvário domina a paisagem.
 Erigida graças à vontade expressa em testamento de Vaz Caldeira, sargento mor da Amieira, foi decretada imóvel de interesse público em 1950.
Abandonámos aquela bonita vila pelas Hortas de S. João e subimos à Ermida de S. João da Charneca, que marca o início dos extensos eucaliptais por onde nos embrenhámos até Arez, onde entramos pelo Vale do Marque.
paragem obrigatória no restaurante do Rui, um recanto já meu conhecido de um par de travessias de Castelo Branco a Fátima em btt.
Ali comemos uma bela sandocha mista e uma bjeca que nos revigorou  para a última parte deste bonito percurso até Nisa, onde chegamos depois de passarmos pela Quinta do termo de Arez e pelo Sachinho.
Uma bela manhã de aventura com uma bela voltinha campestre, em modo vadio, na agradável companhia do Sandro Gama.
49 kms de boas pedaladas, trilhos bastante variados, alguns com a adrenalina a puxar pela emoção, num espaço recheado com uma panorâmica fabulosa. 
E já agora, citando Franz Kafka . . ."Quem possui a faculdade de ver a beleza, não envelhece."
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Pela aparência, uma passeata com trilho muito bonitos.
Belo post.
Abraço
Pinto Infante

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…