Avançar para o conteúdo principal

"Passeio fantasma ao Martim Branco"

Hoje fui para o campo na companhia do Sandro Gama.
Quando logo pela manhã espreitei pela janela, não se via um palmo à frente do olho. É só em redor da cidade. . .pensei eu!!!
Enganei-me redondamente, pois saí da cidade com nevoeiro cerrado e cheguei a casa com a cidade ainda envolta em neblina. Um passeio diferente e com uma beleza quase fantasmagórica nalgumas zonas por onde passamos.
saímos da cidade pelas 08h00 e seguimos para a Atacanha, onde fletimos à esquerda para mais á frente cruzarmos a N.18 para o Couto do Vaz Preto.
Entrámos depois na M.551 que seguimos até à passagem da ponte sobre o Rio Ocreza, onde seguimos para a Barroca das Virtudes.
Com o azimute virado ao Juncal do Campo, ziguezagueamos pelos bonito Vale da Garzinda, Tapada do Mouco e Fonte do Ferro antes de entrarmos na aldeia.
O branco era hoje a cor predominante com os campos cobertos de um belo geadão, criando formas e imagens surreais. Frio e belo ao mesmo tempo.
Devidamente agasalhados, absorvíamos toda aquela beleza fantasmagórica enquanto nos íamos divertindo com algumas pequenas dificuldades criadas pelo gelo e algumas passagens mais escorregadias.
Alguns pequenos regatos e charcos de água estavam completamente solidificados pelo gelo, dando alguma espetacularidade à nossa aventura de hoje.
No Juncal buscamos o Clube local para a matinal dose de cafeína, mas batemos com o nariz na porta. café por ali, só depois do meio dia, durante a semana. Apenas no fim de semana abre pelas 08h30. Fica o registo!
Descemos ao vale da Zebreira Grande e tomámos a direção ao Barbaído, aldeia conhecida por aqui como o centro do mundo. Porquê, não sei!
Cruzamos a povoação e fomos em busca da aldeia seguinte, o Martim Branco, o nosso objetivo de hoje.
Depois de passar a Várzea Fundeira hesitamos em cruzar a Ribeira do Seixo, pois naquela zona, a passagem é por um pequeno pego com alguma profundidade e, apesar das meinhas sealskinz, não estava nada interessado em molhar os pezinhos.
Posto isto, buscamos uma alternativa, que até já conhecia de um passeio com a malta do Juncal.
Ladeamos então a ribeira em direção a norte e, passadas umas centenas de metros cruzámo-la numa zona fácil, sem ser necessário desmontar da bike.
Virando o azimute a sul, pedalamos até à Várzea do Porto do Conde, onde passamos a Ribeira do Tripeiro pelo pontão ali existente.
Contornamos aquela herdade e descemos a Martim Branco, umas das bonitas aldeias de xisto da nossa zona, ainda em fase de recuperação, mas já com uma beleza assinalável.
Por ali nos entretivemos um pouco em modo turismo, registando fotograficamente um ou outro recanto e seguimos em direção às Carvalheiras, onde cruzamos a N.112 para a Esteveira de Baixo, rumo ao Chão da Vã.
Descemos à aldeia e fomos em busca do único café ali existente, que por azar nosso, também só costuma abrir durante a tarde durante a semana.
Tudo bem. Cruzamos de novo, um pouco mais à frente, a Ribeira do Tripeiro pela zona das passadouras, mas a pedalar, pois dava para passar sem molhar o pé.
Depois da passagem pela Cruz da Almas e Vale Cimeiro, chegamos ao Salgueiro do Campo.
Estávamos já a aproximarmo-nos da cidade e a manhã já tinha melhorado substancialmente, com o sol um pouco amedrontado a querer dar algum calor a um dia que começou gélido e esbranquiçado.
Mas calor era o que não nos iria faltar, pois íamos subir à serra pelo interior da aldeia, uma algo longa e dura subida, que termina com uma última seção de 100 metros a 22% (garmin)
Hoje não pudemos desfrutar da beleza da panorâmica que se avista do alto da serra pela neblina que ainda envolvia os vales, mas ainda assim valeu a pena o esforço. É uma bonita passagem, que termina com um escorregadio single track que nos leva ao interior do Palvarinho, a ultima aldeia que passamos neste nosso passeio de hoje.
Descemos à Azenha do Santo ( Ponte de Ferro) e subimos a Penedo Gordo.
Mais à frente, junto à Casa do Rouxinol, fletimos à direita e fomos até ao Cabeço da Barreira, onde passamos a Ribeira da Liria em direção às Casas do Formigo.
Depois de cruzar a N.233 subimos à Tapada da Abeceira, passamos sobre a A23 e descemos à Barragem da Talagueira, por onde entramos na cidade pela zona da Piscina Praia.
Foi uma bonita aventura de 63 kms de btt, na agradável companhia do Sando Gama, numa manhã fria e bela, pela panorâmica diferente que hoje nos proporcionou, onde o branco da geada e o crepitar do gelo que cobria as zonas húmidas, foram a cor e o som predominante.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

DAVID VILA BOA disse…
Amigo António temos de fazer um destes num domingo pela manhã ;) abraço e bom ano
Silverio Correia disse…
Bom dia Don António,
Lindo e espectacular passeio, digno de "Reis"!
Abraço e o melhor do mundo para 2015, em todas as "pedaladas" da vida!
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…