Avançar para o conteúdo principal

"Aí está ela!!!"

Fui ontem levantar no Service Center da Canyon Portugal, a Canyon Ultimate CF SLX Team, que será a minha "montada" na ligação Lausanne (Suiça) a Castelo Branco (Portugal), já no próximo mês de Agosto.
Já tinha feito umas centenas de kms com a bike do Paulo, por ele gentilmente cedida para adaptação, nomeadamente ao tamanho do quadro.
Com uma montagem de topo e um peso pluma de 6,650 gramas, já com pedais, duas grades de bidon e os periféricos para o gps, é de facto uma máquina imbatível, uma relação qualidade/preço.
Na estrada e, como já tive oportunidade de o referir, em anteriores postagens, esta bicicleta surpreendeu-me pela positiva.

Tenho uma Trek Madone 6.9 Pro e uma Giant TCR Advanced, ambas com montagens idênticas à Canyon e após pedalar umas centenas de kms com a Canyon Ultimate CF SLX Team, não considero nenhuma delas superiores, em termos de performance.
Ainda ontem, fiz serão para ajustar a Canyon às minhas medidas padrão e afiná-la a meu gosto.
Troquei-lhe o selim, um Selle Italia SLR, pelo meu Specialized Toupe, que apesar de mais pesado, é para mim mais confortável. Isto de selins, é uma questão pessoal e não se pode com efetividade, considerar este, ou aquele, melhor ou pior. Aqui, é o "rabinho" que determina onde melhor se "sente", não olhando a marcas, modelos ou meras questões de peso!!!
Já com máquina afinadinha, (Canyon) fui hoje fazer uns kms para "acamar" componentes, distender cabos e efetuar um ou outro ajuste mais fino.
Saí de casa pelas 08h30 e rolei calmamente por Escalos de Baixo e Escalos de Cima.
Até aqui, tudo bem. Virei depois à esquerda e rumei à Lardosa e Marateca.
Aqui parei para ver um pescador que, junto ao Pontão, pescava ao "corrico".
Encetei conversa e disse-me que andava á pesca do lúcio-perca, uma espécie que eu pensava não existir na Marateca. Ele disse que sim e que já os lá tem pescado.
Continuei até S. Fiel e Louriçal do Campo, onde pretendia pedalar num estradão recentemente alcatroado e que liga aquela povoação, à estrada, na descida para o Sobral do Campo.
Ainda fiz umas centenas de metros, mas voltei atrás, pois tinham colocado recentemente cola na primeira camada de alcatrão e não queria sujar a bike. Fica para a próxima!!!
Continuei então pela estrada que segue pelo sopé da serra até S. Vicente da Beira, onde parei na Pastelaria para o cafézinho matinal.
Já com o estômago aconchegado pela mini dose de cafeína, fui fazer uma visita à Barragem do Pisco, que em tempo idos, abastecia de água a cidade de Castelo Branco, antes da construção da Marateca.
Sempre em andamento descontraído e observando o que me rodeava, com tempo e vagar, uma das virtudes de pedalar em solitário, cheguei a Tinalhas e cruzando a povoação, desci à Póvoa de Rio de Moinhos.
resolvi então, efetuar a ligação a Caféde por uma estreitinha estrada panorâmica.
Cheguei a Castelo Branco, ainda antes das 12h, com 74 kms pedalados descontraídamente, "montado" nesta belíssima máquina, que não necessitou de mais nenhum "toque". Manteve-se afinadinha e pronta para "papar" kms.
Será amanhã, a minha companheira de "sofrimento" pela Serra do Açor até à Aldeia Presépio de Piodão, com regresso a Pedrogão Pequeno, local onde terá início esta aventura de cerca de 180 kms.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…