Avançar para o conteúdo principal

"III Passeio Btt de Olêdo"

Para terminar o mês de Julho, fui hoje participar no "III Passeio de Btt de Olêdo", aqui mesmo à porta de casa.
De facto, já não ligo muito aos eventos maratonistas, onde a adrenalina é adquirida por uns quantos euros e a escolha do evento, recai sobre o desenho do jersey, o "marketing" da atualidade na angariação de participantes.
Já não tenho pachorra para andar nos trilhos a estorvar os "cracks" do pedal, na sua abnegada luta por um lugar meritório na tabela classificativa, que porventura lhes dará algum destaque nas conversas na tasca lá da aldeia.
Prefiro desencantar por ai uns trilhos, partilhá-los com alguns amigos e divertir-me "à borliú" sem "papelinhos numerados" pendurados nas "bichas" dos cabos de travão da bike.
Quero com isto dizer, que ainda por aí se fazem uns bons passeios, onde gosto de participar. Olêdo é um deles!!!
Pelo trabalho na escolha de trilhos, com a preocupação de variar de ano para ano, a pensar nos participantes e não nos eventuais patrocínios. Pela simpatia como somos recebidos e pelo ambiente festivo do passeio.
Pela forma como são inseridos nas festas da aldeia, criando logo à partida um ambiente de festa e onde há sempre um antes e um depois do evento.
A malta vai-se juntando, quase sempre à mesa, claro está, e entre conversas banais vai degustando aquelas preciosas iguarias, que tanto nos prejudicam a busca de um perfil menos ovalizado.
Há gente que gosta e sabe bem receber. E essa gente, foram neste caso, a rapaziada da comissão de festas de Olêdo,onde este passeio estava inserido.
Logo para começar, um pequeno almoço a fazer inveja a muitos almoços apresentados noutros eventos.
Um único abastecimento sólido, em 37 kms, que até dava para esticar a manta e fazer um piquenique. Não consigo entender como há rapaziada a passar na "broa" numa zona destas, com tanta comidinha boa e não fazer uma curta paragem, que fosse!!!
No final, aqueles banhinhos nas tendas à "mohamed" foram um espetáculo. Um bom exemplo da peocupação da organização em prol dos participantes. Senão, era pegar nos "carrinhos" e ir tomar banhinho a Idanha-a-Nova!!!
Sensívelmente a meio do percurso, encostei ao Rui Pires e ao Barata e seguimos sempre juntos até final.
No final, encostámos as bikes junto a uma "tiradeira" de loiras imperiais e, palavra puxa palavra, um molhinho de palavras, puxava uma rodada, e por ali nos entretivemos até que nos avisaram que o almoço estava pronto a ser servido.
Mas havia um pequeno problema. É que até nos esquecemos de ir tomar banho!!! Lá fomos nós ao banho, antes que se acabasse a água fria!!!
Depois de um banho divertido, fomos ao almoço.
Simpatia, bom almoço, uma boa "regadela" com mais umas imperiais fresquinhas, mantiveram-nos sentados à mesa durante bastante tempo.
Fomos ao cafézinho da praxe, mais umas imperiais, que mais tarde passaram a minis, um par de melões oferecidos por um "gitano", que por ali passou a vender melões na festa, mas que não nos conseguiu convencer. Depois mais umas minis, um bom "grupeto" à conversa, onde o tema chegou a ser o horário da "carreira" cá para a urbe. Ainda mais umas minis e . . . bem, a partir daqui, acho que tive um apagão, já não me lembro de mais nada.
Lembro-me sim, da minha Maria me ir chamar ao sofá da sala para ir jantar.
"C'um catano", com esta conversa toda, até me esqueci de perguntar em que lugar fiquei na classificação deste excelente passeio.
Desculpem lá esta conversa da treta, mas o facto é que ainda estou divertido com o excelente dia de btt e convívio com que fui brindado em Olêdo.
Um abraço ao Zé Costa, Tiago, Manel, Beta e companhia, pela excelente organização, pelos bonitos trilhos e pelas maravilhosas horas de divertimento e convívio que desfrutei, aí em Olêdo.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…