domingo, 17 de julho de 2011

"Volta Ibérica"

Progamei esta volta, para fazer mais um treino de longa distância.
À partida, era para ir sózinho, mas, à ultima da hora, apareceu um companheiro para me acompanhar, o João Afonso.

Fui buscá-lo pelas 06h30 e rumámos a Nisa, onde tinha início e fim, a voltinha delineada.
Descarregámos as bikes e preparámos o material e, logo ali, no café onde ontem estivemos a tomar café, voltámos hoje, a ingerir a matinal dose de cafeína.
Saímos cerca das 08h e rumámos à Barragem de Póvoa e Meadas, mas, numa indecisão de percurso, acabámos por ir por estrada diferente, o que acabou por nos poupar 9 kms no percurso inicial.
Chegámos a Castelo de Vide e apesar da vontade de subir ao alto, para comer um daqueles deliciosos e enormes pasteis de nata, que saboreara quando por ali passei num passeio da malta das docas, com destino a Marvão, (pena não ter continuidade!!!) não o fizémos e seguimos pela variante até à Portagem, onde recordações antigas me vieram à memória, quando ía de bike até à praia fluvial da Portagem e o meu pessoal ía lá ter de carro. Velhos tempos!!!
Seguimos depois rumo a Espanha e passados 10 kms, estávamos a passar a fronteira de Porto Roque em direcção a Valência de Alcântara, com passagem na Aldeia de Las Huertas de Cansa.
Em Valência, virámos à direita para S. Vicente de Alcântara, sempre em boa velocidade e com o vento a ajudar um pouco.
Tomámos depois a direção de Albuquerque, onde parámos à saída da cidade, num bar, para beber uma bebida fresca e atestar bidons.
Virámos depois à direita, para La Codosera e alguns kms após a passagem por esta localidade, chegámos à fronteira, que cruzámos, pela Ponte Internacional mais pequena do mundo, segundo consta. Uma pequena ponte pedonal de madeira.
Estávamos já em Portugal, na pequena Aldeia do Marco. A estrada alcatroada, começava ali e levou-nos até Esperança, onde efetuámos nova paragem para comer uma saborosa bifana, acompanhada duma bebida fresca.
A direção era agora para Arronches, onde à entrada, virámos à direita para Alegrete.
A partir de La Codosera, o vento, que até então nos dera uma ajuda, tornou-se depois nosso inimigo, dificultando-nos bastante a progressão, soprando sempre forte e frontal.
A partir de Arronches, foi mesmo um suplício até ao final.
Passámos por Mosteiros e Vale de Cavalos até chegarmos à base do monte, onde se encontra o Castelo de Alegrete, virando à esquerda para a Navelonga e Santiago, onde apanhámos a estrada principal, já a 3 kms de Portalegre.
Continuámos, agora já por estrada bem conhecida e, passámos Fortios e Alpalhão para chegarmos a Nisa, o nosso destino final, um pouco antes das 16h, com 186 kms pedalados por bonitas estradas panorâmicas, algumas das quais já tinha saudade, pois já por ali passara no final de duas etapas dos Ciclo Brevets, com final em Albuquerque e em La Codosera, isto, já lá vão seguramente uns 14 anos.
Um excelente dia de pedaladas, com muito boas sensações, apesar da forte ventania, enriquecido pela excelente companhia do amigo João Afonso, que está entra numa boa forma.
Antes da partida para a Suíça, pretendo ainda efetuar mais umas duas voltinhas longas, até final do corrente mês, para entrar então na fase de "restauro". eh eh eh!!!

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Sem comentários: