Avançar para o conteúdo principal

"Serra da Carrapata e da Gardunha"

Hoje, era um dos dias não muito convidativos para dar umas pedaladas.
Algumas nuvens a acomodarem-se no céu e um vento forte e frio. De cortar orelhas!!!
Mas nem isso me demoveu.
Saí de casa pelas 07h15, fui buscar o Carlos Sales e rumámos ao Fundão.
Como já vem sendo habitual, tomámos o cafézinho matinal e o bolinho da praxe, na pastelaria.
Preparámos as bikes e restante material e fomos para os trilhos.
Hoje iríamos subir à Serra da Carrapata e pelos Enxames, à Serra da Gardunha.
Saímos do Fundão pela Quinta das Nogueiras, com o relógio já a passar pelas 08h30 e encostámos à Ribeira de Alcambar até práticamente à sua foz, na Ribeira da Meimoa, passando pelo Tendeiro e Quinta do Cortiço.
Cruzámos a estrada e passámos a ponte sobre a ribeira e fomos agora em direção a Alcaria, pela Tapada dos Frades e Barreiros.
Passámos sob a A23 e subimos pelo Estreitinho à Torrinha, Penedia e Monte Serrano, descendo depois à Quinta das Paiãs, para pouco depois, entrarmos na Aldeia do Ferro, que cruzámos sem qualquer paragem.

Saímos para a Quinta do Azevedo e passámos no Brejo e na Caverna, por bonitos trilhos repletos de velhos castanheiros, misturados entre mata de carvalhos, já em plena Serra da Carrapata, gozando depois com a adrenalínica descida à Barragem da Capinha.
Entrámos seguidamente na povoação, onde efetuámos a primeira paragem para comer e beber algo, num café local.
Rumámos depois à Quinta da Várzea, mas, ao chegar junto à Ribeira da Meimoa, não foi possível cruzá-la. O caudal era de tal maneira, que só de "cacilheiro"!!!
Voltámos atrás e tivemos que passar a ribeira pela Ponte da Capinha, onde virámos à direita e, por asfalto, fomos até aos Enxames, com passagem pelo Santuário da Sra do Fastio.
Passámos os Enxames e entrámos no estradão que passa pelo Cascalho e Magalão, para ascendermos então a brutal parede para o Alto da Serra.
Ainda consegui pedalar até à passagem inferior sob a via férrea, mas a partir daí e até dois terços da subida, já não houve "caneta".
Custou-me mais esta subida a empurrar a "dita", que subir às antenas da Cortiçada pela Fatela.
Uma das "partidinhas" dos "risquinhos" no Google Earth.
O meu "instrumento" marcou como pendente máxima 30%.. Ainda me doi os dedos grandes dos pés de empurrar a bike em bicos. Chiça!!!
Quando a pendente suavizou tivemos que parar para descansar um pouco e "mandar tralha para o corpinho", pois ainda faltavam uns kms para o final da aventura de hoje.
Andámos lá pelo alto da serra a ziguezaguear por trilhos bem porreirinhos, até chegarmos ao estradão que desce das antenas e que seguimos, até á curva de cotovelo da estrada que vem de Alpedrinha.
Já com algumas nuvens a ameaçar lançar água, descemos por asfalto até ao cruzamento para S. Macário e descemos às Donas pelo Folhadeiro, entrando seguidamente no Fundão, onde horas antes iniciámos esta explêndida aventura.
Arrumámos as bikes e restante material, vestimos roupa enxuta e fomos até à Tasquinha do Nicolau, onde desta vez comemos uma bifana acompanhada duma "jola".
Aquela "subidorra" fez-nos perder o apetite, mas não a vontade de voltar à Gardunha e Cova da Beira, onde gosto bastante de pedalar. Tenho andado a protelar estes últimos anos, por este, ou por aquele motivo. Mas agora, haja oportunidade e estou sempre disponível para dar umas pedaladas pela bonita Serra da Gardunha e outras serrinhas que por ali pululam e que também têm trilhos fantásticos.
Contas feitas. Foram 65 kms pedalados na companhia do Carlos, nesta esquisita manhã, bastante fria e ventosa, mas ainda assim, cheia de aventura e adrenalina.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
Clip de vídeo:

Comentários

FMicaelo disse…
Ainda tive tentação de pegar na asfáltica para uma voltinha curta até ao meio-dia... mas assim que fui á rua levar a malta pequena encolhi-me logo! Um vento frio... xiça!

Bonito local... A Gardunha é mesmo espectacular... temos de lá voltar, se possivel com neve... nao há meio de chover!
Silvério disse…
Grande escolha para uns passeios de bicicleta do melhor, mesmo com frio! Pedalar em trilhos, com a visão quase constante da encosta da Serra da Estrela, com a Covilhã incrustada, e da Gardunha, fazem esquecer todo o tipo de obstáculos, sejam o frio ou outros, e proporcionam momentos de muito prazer a quem os realiza.
Um abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…