Avançar para o conteúdo principal

Rota do Castelejo e Lavacolhos"

Aproveitando este inverno primaveril, fui hoje, na companhia do Carlos Sales, reviver uns trilhos onde já uma "catrefada" de anos não pedalava com a btt.
Fui buscar o Carlos pelas 07h15 e rumámos ao Fundão com paragem na Pastelaria, onde já somos "habitués".
Tomámos o cafézinho da manhã e comemos um bolinho quase acabado de fazer e fizémo-nos aos trilhos, numa das manhãs mais frias de que me lembro, a pedalar. O termómetro marcava 1 grau negativo.
Saímos da cidade, pelo Vale das Ganas, com uma daquelas "russas", onde quase toda a vegetação dobrava com o peso do gelo e as zonas húmidas, charcos de água e pequenos ribeiros, eram autênticas placas de gelo.
Em determinada altura o Carlos teve mesmo que parar e tirar as luvas para aquecer as mãos.
Mas a paisagem era incrível, toda vestida de tons prateados e com as neblinas a criarem uma panorâmica quase surreal. Lindíssimo!!
Retomámos a pedalada, pela Quinta de Stª. Teresinha e quase sempre em estradão, passámos pelo Prado do Infante, Quinta do Poleto, Soalheira, Quinta da Comenda e Lameiras.
Não havendo grandes subidas que nos inquietassem, lá íamos parando, aqui e ali, para apreciar a paisagem e registar o momento com a minha digital.
Lá fomos pedalando, ziguezagueando pelos Montesinhos, com passagem na capelinha da Srª. do Mosteiro, no Casal de Stª. Maria, seguindo depois pelo Pomar e Portela, até entramos na Aldeia do Castelejo.
Cruzámos a aldeia e saímos de novo para os trilhos, agora em direção às Fatelas, Peneda e Muro, com nova paragem na bonita Praia Fluvial de Lavacolhos, onde o Carlos ficou logo a magicar uma deslocação áquele pitoresco local com a sua caravana, para um fim de semana agradável com a família, lá mais para a primavera, ou verão.
Subimos depois à Aldeia de Lavacolhos, com passagem pelas suas bonitas ruelas e onde parámos no Café Tita, para hidratarmos o corpinho com uma bebida adocicada.
Seguimos agora para o Cabeço do Ribeiro e seguidamente para a Enxabarda, onde também fizémos uma pequena visita à aldeia, com passagem nas suas estreitas ruas.
O percurso de hoje e, como é meu hábito orientá-los, era circular e, estava já na hora de virar o azimute, lá para os lados da zona de partida.
Seguimos para o Vale da Roda e Enxabardinha, chegando ao bonito Santuário de Santa Luzia, onde parámos para uma visita mais pormenorizada.
Alí comemos a "bucha" e tirámos a foto de grupo da praxe, pondo depois pés nos pedais, pois estava na hora do regresso.
Descemos para a Courela e passado o Serrado, enfrentámos a mais dura subida do dia, apesar de asfaltada e posteriormente empedrada, ao Souto da Casa.
Aqui, se ainda havia alguma réstea de frio . . . simplesmente, foi-se!!!
Cruzámos a estrada e até ao Freixial, foi práticamente sempre a descer.
O Fundão estava já no nosso horizonte e a curta distância, mas demos por alí ainda umas pedaladas pelo Chão da Velha, Quinteiros e Tapada, onde fomos brindados, talvez com os trilhos mais bonitos do percurso.
Passámos a Tapada, Borralheira, Ulmeirinha e Quinta da Nave, entrando no Fundão pela Arraboa e Nora, com 52 kms pedalados em trilhos diversificados e com paisagens impares, nesta altura do ano.
Foi de fato uma manhã gratificante, praticando um desporto que me motiva e me faz alhear um pouco da idade, que já me vai avisando que determinado tipo de pedalada, já está em fim de contrato e que as renovações, terão que ser cada vez mais ponderadas.
Há pois, que ir ajustando o "software", pois o "hardware" já está descontinuado e sem hipótese de "upgrades". Sobretudo, começar a utilizar de novo a "fórmula", onde a "sensatez" predomina e da qual já andava um pouco arredado.!!! Mea Culpa!!!
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
Clip vídeo.

Comentários

rogerioelvas disse…
simplesmente ***** estrelas
Rogerio/Belmonte
Silvério disse…
Mais um passeio que me deixa com muita água na boca. Efeito Serra, neste caso a bela Gardunha e do lado da não menos bela Cova da Beira.
Com esta excelente reportagem, fotos e descrições, lá fiz o meu passeio virtual o que me permitiu saciar um bocadinho o apetite!
O máximo era a Gardunha ficar "branquinha" nestes próximos dias e proporcionar-nos um passeio como o que tivemos o prazer de desfrutar no ano passado. Nessa situação o frio é melhor de suportar!
Um abraço
Silvério
Fidalgo disse…
Belo passeio pela serra e cova da beira. Esperamos contar com a tua companhia durante muitos anos e agora mais, uma vez que pelas palavras, vais abrandar o ritmo, talvez te aproximes mais do meu.Ritmo alto ou baixo, é preciso é que nos divirtamos a pedalar. Um abraço e até breve.Fidalgo.

Mensagens populares deste blogue

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…