Avançar para o conteúdo principal

"Por terras de montado"

Eram 07h30 e eu a olhar para o teto do quarto. Nahhh!!! Isto não é vida.
O facto é que me apetecia ir "vadiar" um pouco.
Pequei no "Tanganho", pensei um pouco e decidi ir até à zona de montado, pedalar por entre sobreiros e azinheiras ali para os lados de Monforte da Beira.
Já há uns tempos que ando para dar uma olhada a uns trilhos ali para os lados do Monte Barata e Vale de Paio e hoje, foi o dia.
Pelas 08h30, pus pés no pedal e fui em direção ao single do Quinteiro, onde entrei nos trilhos.
Passei no Monte do Forninho do Bispo e fiz todo o sobe e desce até ao VG do Alcaide, lançando-me seguidamente descida abaixo até ao Monte do Jambum, onde entrei no estradão para o Monte da Ponte e Ponte do Ponsul.
Subi depois ao Monte do Pardal e com passagem no Picado de Baixo e de Cima, entrei no asfalto, que segui até ao VG da Farropa, onde tomei a direção do VG da Sapateira, mesmo ao malhão do Monte da Granja dos Castelos.
Continuei as minhas pedaladas e desci para o Monte do Barrelas e, contornando a Serra do Carregal, cruzei o asfalto no cruzamento da estrada de ligação Monforte - Malpica e desci á Ribeira da Cachaça, que ladeei até ao Monte do Saraiva.
Passei as ruínas do casario do Monte do Lopes e tomei a direção do Monte Barata, que contornei, rumando seguidamente ao VG da Castiça.
Os trilhos por aquela zona começam a ser escassos para a malta do pedal, pois está quase tudo aramado e com grandes portões fechados a cadeado, pelos senhores da caça. Qualquer dia, nem os proprietários lá conseguem entrar!!!
Tive que seguir para a Casinha do Chicharro, onde apanhei o estradão que vem do Galisteu, até ao Malhão do Couto do Javiel, onde virei à direita e, de novo tive que seguir encostado às aramadas até ao Lameiro da Caiada onde desci para a Feiteira, pedalando depois pelo bonito trilho entre paredes e sobreiros, pelas Hortas de Alcains, entrando em Monforte da Beira pela Capela de Santo António.
Parei no Café do Joaquim Padeiro e por ali me mantive algum tempo à conversa com o Tó, filho do Joaquim Padeiro, enquanto bebericava uma bebida e comia algo mais sólido.
A pressa não era muita e os trilhos iam esperar por mim!!!
Saí de Monforte em direção ao Monte da Sancada, a pensar na sobremesa. Comer um par de laranjinhas colhidas no laranjal. Mas alguém se tinha antecipado!!! Encontrei ali estacionada uma carrinha de "ciganos" e não quis parar. Também deviam de andar a "comprar" laranjas. eh eh eh!!!
O destino era agora o Monte Grande e a sua bonita barragem. Já me estava a "lamber" por pedalar no single da pedra redonda, por mim desencantado há dois anos atrás.
Mas fiquei-me pela intenção, pois toda aquela zona tinha sido recentemente lavrada, pelo que tive de encontrar caminho alternativo e pela planície, lá cheguei à barragem. Estive por ali um pouco a olhar para aquela bonita panorâmica. Fiz um par de disparos com a minha digital e fiz-me ao trilho.
Passei ao fundo do arraial do Monte Grande e segui o estradão paralelo ao vale até ao malhão do Monte da Granja dos Castelos, onde encostei à Ribeira do Vidigal, pelo extremo oposto, até à Malhada do Sordo, entrando depois no vale da margem sul do Rio Ponsul, pelo lado do Monte do Escrivão, até à ponte medieval.
Cruzei para a ponte nova pela velha fábrica de tijolo e fui até ao Monte Clérigo, onde subi até à lixeira da Valnor, voltando a cruzar a estrada, agora para o S. Martinho, voltando a entrar na cidade pelo single do Quinteiro, com 82 kms pedalados por belos montados de sobro e azinhal, com uma ou outra subidita para apimentar a "coisa" e sobretudo, com a satisfação de um dia bem passado, sem stress e a meu belo prazer.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
Clip vídeo:

Comentários

Silvério disse…
Don António "Solitarius"!
Sei que "Aliquando melius est unum quam in malam societatem".
Mas será que não vale a pena pensar que há sempre alguém e uma forma de nunca estarmos sós. Esta passagem é tão rápida, que tudo o que pudermos fazer por fomentar o convívio com os AMIGOS, seguramente acrescenta valor às nossas vidas.
Bom, mas vamos ao principal deste comentário:
A solo, com uma câmara na mão e uma ideia na cabeça, e vice-versa (eheheheh), para além da satisfação pessoal também a proporcionou aos "seguidores", através das belas fotografias e descrições exaustivas sobre os lugares trilhados!
Bom Grande!
Parabéns!
Até aos trilhos... ou fora deles.
Um abraço
Silvério
AC disse…
D. Silvério.
Agradeço bastante a tua preocupação, mas . . . eu nunca estou só!!! Gosto imenso da minha companhia!!!
Abraço
AC
FMicaelo disse…
Boa voltinha, ainda por cima pelos meus recantos de infancia, alguns dos quais estão bem diferentes, para pior pois agora ja por lá passa pouca gente = mato!

O Silverio tem razão... sozinho por alguns destes cantos...

Faça-o de boa saúde sff!

Mensagens populares deste blogue

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…