Avançar para o conteúdo principal

Transpirenaica > "Campodrón - Planoles"

Dia 3 - Campodrón - Planoles, 64 Kms"

Depois de uma noite, mais ou menos bem dormida, descemos ao hall de entrada do simpático hostal onde nos tinhamos alojado e reparámos que as nossas bikes já nos esperavam, ali colocadas pela proprietária, assim como um frugal "desayuno" e um "pic-nic" para comer na montanha.
 Recordei então o conselho da senhora, que nos disse. . . "pela manhã, olhai lá para o alto, para os cumes da montanha, e, se esta estiver coberta de neblina, não vos aventureis por ali e escolham itenerário alternativo. Não subam ao collado, pois ontem caiu lá um  nevão e com neblina é deveras perigoso a travessia da montanha".
Sábio conselho, que acatámos. Por isso, logo que saímos a porta do hostal, os nossos olhos viraram-se lá para os longínquos cumes das montanhas. Estavam lindas, convidativas e libertas da indesejável neblina. Era pois, hora de nos pormos a caminho.
Demos então início à nossa terceira etapa pirenaica, que se augurava difícil. Mas não nos amedrontámos. nem com a altimetria anunciada, pois íriamos subir pela primeira vez acima dos 2000 metros de altitude, nem pela neve, que, pelo contrário, ansiávamos encontrar.
Saímos de Campodrón em amena cavaqueira e passámos Llanars, onde tivemos a primeira grande imagem do dia, com um belo arco íris a cruzar o horizonte sobre os cumes, alguns dos quais pretendíamos conquistar.
Seguímos em direção a Vilallonga de Ter, onde começámos a longa e dura subida em trilho acimentado até  Tregurá de Dalt.
A partir daqui, o cimento desapareceu, dando lugar a um trilho pedrogoso e de dificil progressão nalgumas secções, até ao alto do Collado de la Gralla, sobre a Sierra de Cavallera.
Consoante íamos ganhando altitude, os ânimos iam arrefecendo com o frio a entranhar-se no corpo, tornando insensíveis as extremidades. (pés e mãos)
Era deslumbrante a paisagem criada naquela escura montanha, toda manchada de branco, fruto do nevão que a cobrira no dia anterior.
Atingimos o Collado de la Gralla, onde a temperatura oscilava entre o positivo e o negativo.
Mesmo assim, não foi impeditivo para que brincássemos na neve e registássemos o momento com as nossas digitais.
Um inebriante sabor a conquista, invadiu-me o corpo e o espírito, após esta longa subida. Não foi fácil para mim chegar lá acima com a bike carregada com alforges. Foi duro, mas por outro lado, muito belo e gratificante, tão pequeno me senti!!! Tiritava de frio, mas sentia-me feliz por pedalar em tão imensa grandeza!!!
Seguimos o trilho que nos levou ao Collado de Melanell onde demos início àqueles intermináveis 11 kms de descida cheia de pedra e regueiras.
Mas se a subida foi dura, a descida não se ficou atrás. Não pela pendente, mas pelo frio que chegou a um grau negativo e pela falta de sensibilidade para dominar a bike, pois não sentia as mão nem os pés.
Em plena descida, o Didier fez um rasgão no pneu traseiro da sua bike. Estava tão gelado, que optou por fazer cerca de um km a pé, com a bike às costas, para aquecer e assim conseguir meter uma câmara de ar no pneu danificado.
O Bruno Malheiro fez-lhe companhia e, eu e o Carlos, que nada podíamos fazer, continuámos a descer, completamente gelados.
A nossa primeira imagem sobre Ribes de Frezer foi reconfortante. Consoante desciamos a temperatura ia subindo e nós íamo-nos soltando e recuperando a sensibilidade para dominar a bike, ao mesmo tempo que aumentávamos a velocidade. Queríamos chegar rápido a um local onde nos pudéssemos aquecer.
Assim que entrámos em Ribes de Frezer, procurámos logo um bar e de imediato pedimos dois cafés quentinhos, que além de nos aquecerem por dentro, serviram também para nos irem aquecendo as mãos. Duplicámos a dose, acompanhada de uns bolos regionais, que também não souberam nada mal.
Entretanto chegaram o Didier e o Bruno, gelados como nós e mudámos para o "cacaolat" quentinho e em dose maior. Voltámos a duplicar a dose.
O frio "já era" e a temperatura amenizara e voltáramos a recuperar a nossa verdadeira tonalidade.
Já reconfortados, fizémo-nos de novo aos trilhos, seguindo agora em direção à última dificuldade do dia, a subida ao Collet de Barraques, com vista priveligiada sobre o Valle de Núria.
Os últimos quatro kms fizémo-los em vertiginosa descida até Planoles, onde terminámos a etapa e ficámos alojados no Albergue Pere Figuera.
Um dia duro, não só pelas dificuldades geográficas, mas também pelas climatéricas. Mas de espetacular beleza, sobretudo nas passagens pelos Collados de la Gralla e Melanell e pelas emoções vividas e partilhadas.
O alojamento no alberque foi partilhado pelos quatro num só quarto e a refeição foi um pouco curta para as nossas aspirações. Uma patinha de frango com batas fritas de pacote, uma canja, um yogurte ou peça de fruta.
Teríamos que armanezar calorias no dia seguinte no primeiro local que encontrássemos. Isso era garantido!!!
CONTINUA. . .




Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…