Avançar para o conteúdo principal

Transpirenaica - Dia 5 - Bagà - El Pla de Sant Tirs"

Dia 5 - "Bagà - El Pla de Sant Tirs" - 75 Kms

Estava na expetativa quanto a esta etapa.
A anterior deixava antever um percurso fabuloso e verdadeiramente pirenaico.
Saimos cedo de Bagà, após um bom "desayuno".
Preparámos as bikes, alforges e mochilas e fizémo-nos aos trilhos para mais um dia pirenaico, que não se previa nada fácil, pois havia uns poucos de coll's para trepar.
Depois de alguns, poucos, kms mais ou menos planos, começámos a subir ao Coll de la Bena, por bonitos trilhos e um entorno fantástico, sobretudo à passagem pelo Coll de la Balma, onde parámos para apreciar aquela envolvente panorâmica, ao alcance dos nossos olhos.
Estávamos bem no interior do Parque Natural de Cadí - Moixeiró.
Seguiu-se o Collado de Josa, entrada para um fantástico paraíso natural, com a visão da cara norte da arrepiante Pedraforca. Tinhamos então chegado ao Coll de Torn. Simplesmente espetacular. Não sei descrever por palavras o que os meus olhos viram!!!
Sobre a nossa esquerda a magnânima Pedraforca, uma das montanhas mais emblemáticas da Catalunha.
A sua forma peculiar, prendeu-nos a atenção, durante a restante ascenção ao Collell.
A sua cara norte, a que pudemos desfrutar, tem uma beleza única. Na minha opinião, talvez uma das montanhas mais bonitas dos Pirinéus.
Já no alto do Collell, parámos mais uma vez, pois era difícil abandonarmos aquele belo lugar e demos bastante trabalho às digitais. Estávamos presos à sua beleza!!!
Descemos depois por uma fantástica trialeira que nos levou ao asfalto, depois duns kms de pleno gozo.
Seguimos o alcatrão durante uns kms e parámos no cruzamento da peculiar aldeia de Josa de Cadí, cravada no alto de uma pequena montanha. Muito bonita, mas não subimos e continuámos para Tuixent, onde resolvemos parar para almoçar um espetacular arroz cubano. Toda a malta ficou fã desta simples receita culinária, que por ora não desvendo!!!
Uma valente trovoada surpreendeu-nos quando pretendíamos retomar a marcha, atrasando-nos um pouco.
Descemos de Tuixent e entrámos num bonito single track, entre pinheiros que a dada altura se tornou num suplício, nas suas zonas não cicláveis, com muita pedra e grandes drops, obrigando-nos a grande ginástica para conseguir passar com as bikes.
Valeu-nos a continuação, por um trilho "bacano", que nos conduziu por Montargull e Sorribes de la Vansa.
Passámos a Barceloneta, um bonito e verdejante vale, para seguidamente subirmos ao Coll de Arnat.
A descida a Castellar de Tost foi fantástica e adrenalínica, suavizando um pouco até chegarmos a Els Hostalets de Tost, onde entrámos de novo em asfalto, que seguimos até El Pla de Sant Tirs, onde ficámos hospedados no bonito Hostal Llorer. O Bruno andava já com problemas nos seus travões e tinha o prato pedaleiro do meio com avançado desgaste.
O Carlos precisava de óleo para a corrente, o Didier de comprar um pneu e eu já andava a pensar comprar uns sapatos, pois o meu direito já andava arrematado com fita adesiva.
O dono do hostal, cuja primeira impressão não foi das melhores, pois pareceu-me um pouco casmurro, acabou por ser simpático e prestável, a oferecer-se para nos dar boleia até La Seu d'Urgell, onde havia uma loja de bicicletas.
Lá fomos até à loja, onde verificámos que era uma lojinha com pouco para oferecer.
O Didier comprou um pneu do stock bastante limitado que lhe foi mostrado e o Carlos comprou uma embalagem de óleo, que acabámos por concluir que seria mais indicado para máquinas de costura que para as correntes das bikes.
Quanto a sapatos, pratos pedaleiros e travões, nada!!!
Regressámos depois ao hostal e enquanto esperávamos pelo jantar, entretive-me a beber umas "cañas" com o Carlos.
Após o jantar, fui para a "deita" pois no dia seguinte seguir-se- ia uma etapa mais curta, mas de grande dureza.



Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC






Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…