Avançar para o conteúdo principal

"Transpirenaica - Escalona - Senegué"

Dia 10  - "Escalona - Senegué" - 111 kms.

Esta foi a etapa mais longa de toda a travessia. Foi também uma etapa muito dura, mas enriquecida por cenários fantásticos, que amenizaram sobremaneira, a dureza de alguns trilhos.
Depois de um excelente "desayuno" no Hotel Revestido, onde ficáramos alojados, partimos para esta longa etapa.
Já estávamos no interior do Parque natural de Ordesa Y Monte Perdido.
Depois de Escalona, entrámos no impressionante Cañon del Añisclo, através do Estrecho de las Cambras, que seguimos até ao majestoso Maciço do Monte Perdido.
Majestosas paredes abrem-nos caminho através duma estreita estradinha de sentido único, ladeando o bonito Rio Bellós.
Saímos daquele impressionante barranco e virámos à esquerda, para começarmos a enfrentar a longa e dura subida ao Collado de Fanlo.
A descida para Sarvisé foi fantástica e adrenalínica.
Continuámos para Fiscal, com passagem do Valle del Rio Ara ao Valle del Rio Gálligo. Almoçámos em Fiscal numa bela "Terraza", com vista sobre o Valle del Gálligo.
Com a "pança" bem aconchegadinha continuámos esta nossa longa e dura etapa, com a subida a Peña Oturía. Lá do alto, pudemos avistar quase todo o Pirinéu Central como El Cotiella, de novo La Peña Montañesa, La Peña Telena, La Foratala, Los Três Sorores, entre outros!
Passámos pelos desabitados "pueblos" de Bergúa e de Sasa e enfrentámos duras e inclinadas secções de subida à Gran Collada, pela Pradera de Santa Orosia, tendo a sorte de não ter chovido, pois com o terreno húmido é terrível. Apenas cruzámos uns quantos charcos com água e passámos bem pelo leito do rio, onde pudemos constatar o que seria com aquele tipo de terreno molhado e o rio com mais caudal. Uf!!!
Descemos a Larrede, onde mais à frente passámos pela bonita Ponte Suspensa, sobre o Rio Gálligo, que nos deu acesso a Senegué.
Inicialmente passámos Senegué e continuámos para Sabiñanigo onde esperávamos ficar alojados.
Procurámos uma loja de bicicletas para eu poder comprar um par de sapatos, pois o meu sapato esquerdo, à semelhança do direito, também já se tinha aberto na sola.
Mas não encontrei nada que me interessasse e o problema da folga no cepo da roda do Carlos, também não foi possível resolvê-lo naquele dia.
Resolvêmos não ficar em Sabiñanigo e regressámos a Senegué, onde ficamos alojados.
Além do problema dos meus sapatos, o Bruno voltou a partir a corrente da bike. O problema foi fácilmente resolvido com um link.
No dia seguinte esperavam-nos mais uns duros 90 kms até Ansó. Estava espetante por cruzar a famosa Selva de Irati!

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …