Avançar para o conteúdo principal

Transpirenaica - El Pla de Sant Tirs - Llavorsi"

Dia 6 - "El Pla de Sant Tirs - Llavorsí" - 56 Kms

Seis dias de travessia pirenaica. Já estava ambientado à altitude, à manobralidade da bike com alforges e psicologicamente às longas e intermináveis subidas. Já deixara de pensar se esta acabaria a seguir àquela curva ou se ainda faltaria muito para passar o cume.
Por outro lado, os bonitos vales verdejantes, onde as vaquinhas, ou os garranos pastavam, ou ambos, as altas montanhas ainda com os cumes carregados de neve, os contrastes entre o azulado e os cinzentos das montanhas mais longínquas e o seu estranho e belo recortado, iam-me abstendo de pensar no que ainda faltava, dando-me ânimo e um estranho prazer em pedalar.
A paisagem, nalgumas passagens, era brutal fazendo-me sentir bem pequenino. Estava a adorar esta travessia, como adoro outras menos mediáticas, como adoro simplesmente andar de bicicleta. Apenas porque gosto e pronto!!!
Já fiz uma Transpirenaica por asfalto, também desde o Mediterrâneo ao Atlântico, por território francês.
Já pedalei pelos cumes mais emblemáticos do sul de França, locais de grandes façanhas ciclísticas, nomeadamente no Tour de France. Já conheço um pouco dos Pirinéus e ainda no passado ano por lá andei durante quatro dias, num dos percursos da Aramonbike, o Pirinèes Épic Trail.
Posto isto, concluí fácilmente que os pirinéus têm muito, mas muito para mostrar. Para quem gosta de bike e aventura, é deveras um paraíso, onde tudo está para descobrir e tudo quase descoberto. Ainda lá quero voltar, se para tal houver oportunidade e estas "velhas" perninhas não se negarem na altura.
Pelas 07h00 era quase sempre o toque de alvorada, ou de partida.
Tomámos o "desayuno", por acaso fraquinho relativamente às nossas necessidades, mas iriamos parar durante o trajeto para meter carbohidratos.
Saímos do Hostal Lloret e descemos à via principal que seguimos até Ribera de Urgellet, onde virámos à esquerda e, na Parróquia d'Hortó começámos a subir o Coll de Cantó.
Consoante íamos subindo íamos tendo uma maior panorâmica sobre  La Cerdanya.
Passámos por Avellanet e Pallerols del Cantó e já em descida, fizemos um desvio à direita para darmos início à longa subida que concluiria vários coll's até às proximidades do Pic de l'Orri, no l'Alt Urgell.
Um kms após o desvio, passámos Canturri e subimos ao Coll de Leix, parando antes num local onde a água jorrava proveniente da montanha, ao jeito de fonte "amanhada" onde enchemos os bidons e descansámos um pouco.
Continuámos a subir, agora ao Coll de San Joan de l'Erm, com nova paragem junto à bonita e peculiar ermida.
Alguns kms mais à frente, estávamos no Refúgio de La Basseta, onde parámos no Bar - Restaurante Serveis, e nos "mandámos" a uns estupendos "bocadilhos de lomo com pan de tomate" acompanhados com "unas cervezas", para mim e para o Carlos. O Did e o Bruno, andavam encantados com as "Aquarius".
Continuámos a subir e passámos pelas ruínas da velha ermida de San Joan de l'Erm e contornámos o Pic de l'Orri, com algum sobe e desce e um duro par de rampas.
Seguiram-se 27 adrenalínicos kms de descida até Llavorsi, com passagem por Pla de Sam Pere.
Estes últimos kms, ladeando o Rio Noguera - Pallaresa, um rio de águas bravas e onde habitualmente se pratica rafting.
Tinhamos chegado ao final desta etapa. Procurámos alojamento, começando pelo camping Aigues Braves, onde nos foi mostrado um bungalow bastante exíguo e caro.
Acabámos por ficar no hotel junto ao Rio Noguera - Pallaresa e com quarto virado ao rio. Bonito e algo barulhento, fruto da forte corrente do rio, como se de música de fundo se tratasse.
Comemos bem e fomos simpáticamente bem recebidos nesta bonita povoação, um pequeno município da Província de Lérida e um dos principais centros de desporto dos pirinéus.
Para o dia seguinte, esperava-nos outra dura etapa que nos levaria a um peculiar lugarejo chamado Oveix.


Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…