domingo, 5 de agosto de 2012

"BTT Domingueiro"

Hoje fui ter com a rapaziada das Docas para mais um Btt Domingueiro.
Como não havia nenhum percurso pré-definido, propus uma voltinha para os lados da Póvoa e de Tinalhas.
A manhã apresentou-se bem fresca e com algumas nuvens a darem indício de que poderiam ocorrer algum chuviscos.
Ainda assim, juntaram-se nas Docas 9 companheiros com vontade de pedalar.
Eu, Álvaro, Nuno Dias, Nuno Eusébio, Pedro Antunes, Carlos Sales, José Luís (Zé Cobrador), Abílio Fidalgo e Dário Falcão.
Saímos da cidade cerca das 08h20, após o periodo de espera da praxe e entrámos nos trilhos junto ao Centro de Meteorologia.
Passámos a Atacanha e em Sta Apolónia, virámos à esquerda em direção à Rabaça, onde cruzámos o leito do Rio Ocreza.
Subimos a Caféde e parámos no Café da D. Júlia, uma simpática senhora que desde já hà alguns anos quase sempre me brinda, assim como os meus amigos, com um pequeno mimo. Desta vez foram uns bolinhos de mel e uns borrachões, a acompanhar a matinal dose de cafeína.
A rapaziada estava animada e saímos do café em direção à Póvoa do Rio de Moinhos, onde chegámos após passagem pelo Cadavai e subir as famosas 3 Toneladas.
Cruzámos a Póvoa e entrámos no estradão que segue para os lados da Marateca.
Junto à Quinta do Carrapiço, virámos à esquerda e cruzámos o leito da Ribeirinha, seguindo uma trialeira até às proximidades da Tapada da Queijeira.
Contornámos Tinalhas e tomámos a Direção do Vale de Prande, que ladeámos até ao Vale das Barrocas.
Cruzámos a  M.1242 e seguimos pelo Vale Sando, Manssama e Zebreira Grande.
Cruzando a N.112, seguimos pelo estradão até às passadouras do Rio Tripeiro, nas proximidades do Chão da Vã e subimos ao Vale Cimeiro, que nos deu acesso ao Salgueiro do Campo.
Continuámos  até ao Palvarinho, parando no Café da Iria, para tomarmos umas bebidas frescas, pois a frescura matinal já se dissipara e o calor já se fazia sentir.
Voltámos a parar no Café junto à Igreja para alguns companheiros atestarem os bidons de água, pois a fonte tinha a torneira avariada. Outros aproveitaram para se refrescarem de novo com umas "jolinhas".
Descemos para a Ponte de Ferro, onde tirámos a foto de grupo e subimos ao Penedo Gordo pela rampa do Rouxinol.
Dali, rumámos à cidade pelo Monte da Barreira, com entrada pela Cova do Gato. Eram 12h50 e tinhamos já pedalado 64 kms num percurso circular e sem grandes dificuldades.
À entrada da cidade a rapaziada dividiu-se, com uns a rumarem a casa e os restantes a clamar ainda pela sossega, sobre cuja história, irei certamente saber mais tarde.
Hum . . . pela direção tomada, antevejo uma grande e "sumarenta" tertúlia!!!

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

2 comentários:

Fidalgo disse...

Nem imaginas o quão sumarenta foi??? Até chegar com o dedo!!!!

AC disse...

Foi fácil saber por onde "os meninos" andaram. No dia seguinte, quando por lá passei, ainda se encontrava o cartaz na montra com a informação "IMPERIAL ESGOTADA". Seremos breves!!!