Avançar para o conteúdo principal

"BTT Domingueiro"

Hoje fui ter com a rapaziada das Docas para mais um Btt Domingueiro.
Como não havia nenhum percurso pré-definido, propus uma voltinha para os lados da Póvoa e de Tinalhas.
A manhã apresentou-se bem fresca e com algumas nuvens a darem indício de que poderiam ocorrer algum chuviscos.
Ainda assim, juntaram-se nas Docas 9 companheiros com vontade de pedalar.
Eu, Álvaro, Nuno Dias, Nuno Eusébio, Pedro Antunes, Carlos Sales, José Luís (Zé Cobrador), Abílio Fidalgo e Dário Falcão.
Saímos da cidade cerca das 08h20, após o periodo de espera da praxe e entrámos nos trilhos junto ao Centro de Meteorologia.
Passámos a Atacanha e em Sta Apolónia, virámos à esquerda em direção à Rabaça, onde cruzámos o leito do Rio Ocreza.
Subimos a Caféde e parámos no Café da D. Júlia, uma simpática senhora que desde já hà alguns anos quase sempre me brinda, assim como os meus amigos, com um pequeno mimo. Desta vez foram uns bolinhos de mel e uns borrachões, a acompanhar a matinal dose de cafeína.
A rapaziada estava animada e saímos do café em direção à Póvoa do Rio de Moinhos, onde chegámos após passagem pelo Cadavai e subir as famosas 3 Toneladas.
Cruzámos a Póvoa e entrámos no estradão que segue para os lados da Marateca.
Junto à Quinta do Carrapiço, virámos à esquerda e cruzámos o leito da Ribeirinha, seguindo uma trialeira até às proximidades da Tapada da Queijeira.
Contornámos Tinalhas e tomámos a Direção do Vale de Prande, que ladeámos até ao Vale das Barrocas.
Cruzámos a  M.1242 e seguimos pelo Vale Sando, Manssama e Zebreira Grande.
Cruzando a N.112, seguimos pelo estradão até às passadouras do Rio Tripeiro, nas proximidades do Chão da Vã e subimos ao Vale Cimeiro, que nos deu acesso ao Salgueiro do Campo.
Continuámos  até ao Palvarinho, parando no Café da Iria, para tomarmos umas bebidas frescas, pois a frescura matinal já se dissipara e o calor já se fazia sentir.
Voltámos a parar no Café junto à Igreja para alguns companheiros atestarem os bidons de água, pois a fonte tinha a torneira avariada. Outros aproveitaram para se refrescarem de novo com umas "jolinhas".
Descemos para a Ponte de Ferro, onde tirámos a foto de grupo e subimos ao Penedo Gordo pela rampa do Rouxinol.
Dali, rumámos à cidade pelo Monte da Barreira, com entrada pela Cova do Gato. Eram 12h50 e tinhamos já pedalado 64 kms num percurso circular e sem grandes dificuldades.
À entrada da cidade a rapaziada dividiu-se, com uns a rumarem a casa e os restantes a clamar ainda pela sossega, sobre cuja história, irei certamente saber mais tarde.
Hum . . . pela direção tomada, antevejo uma grande e "sumarenta" tertúlia!!!

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Fidalgo disse…
Nem imaginas o quão sumarenta foi??? Até chegar com o dedo!!!!
AC disse…
Foi fácil saber por onde "os meninos" andaram. No dia seguinte, quando por lá passei, ainda se encontrava o cartaz na montra com a informação "IMPERIAL ESGOTADA". Seremos breves!!!

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…