Avançar para o conteúdo principal

"Pelos Vales do Tripeiro e Ocreza"

Mais um domingo descontraido, "cavalgando" na minha 29er Superfly.
Pelas 08h fui até às Docas ter com a rapaziada que por ali se costuma juntar para umas betêtadas.
4 companheiros apareceram com vontade de dar umas pedaladas e descontrair um pouco.
Eu, o Nuno Eusébio, o Pedro Antunes e o Fidalgo, hoje "à nora" com os raios da roda traseira da sua bike
Se fosse música chamava-lhe uma rapsódia. Não só pela variedade e colorido dos raios, como também pela "cantilena" durante todo o percurso. Cá para mim aquela "rodinha" se não lhe derem um pouco de atenção, vai ter vida curta!
Lá nos fizemos aos trilhos, saindo da cidade pela Atacanha.
Cruzámos a N.18 e tomámos a direção da Quinta de Valverde, onde uma nova aramada nos obrigou a um ligeiro desvio, relativamente ao percurso inicialmente idealizado.
Seguimos pelo velho estradão para o Juncal, agora alcatroado e nas proximidades da aldeia virámos à esquerda para a Fonte do Ferro.
Cruzámos a M.550 junto ao Vale Mindinho e descemos ao Salgueiro do Campo, onde calmamente tomámos a matinal dose de cafeína na esplanada do café da curva.
Cruzámos a aldeia pelos suburbios até ao Campo de Futebol e voltámos a entrar nos trilhos, agora rumo à Bica, seguindo pelo estradão entre a Navelonga e o Monte do Tavares, para mais à frente descermos ao Açude do Vare Jorge, no Rio Tripeiro, completamente seco nesta altura do ano.
Subimos aos Pereiros, mas não entrámos na povoação, seguindo por asfalto até, junto ao VG do Mestre, onde apanhámos o trilho com rumo a Vilares de Baixo.
Passeámo-nos pelas ruelas da aldeia e subindo a cabeço entrámos na adrenalínica descida à Azenha do Agudinho.
Aqui cruzámos o Rio Ocreza e enfrentámos mais uma dura subida até ao estradão que nos levou à Taberna Seca.
Nova paragem nesta localidade, para nos refrescarmos com uma "jolinha" e para a malta da "coca", existe naquele estabelecimento a opção de "copo ou palhinha" . . . que o diga o Pedro Antunes!!!
Um momento hilariante, quando a senhora ao balcão lhe perguntou . . . quer copo ou palhinha!!!
Seguimos depois em direção ao Penedo Gordo, virámos para o Cabeço da Barreira se continuámos  até às casas do Formigo.
Cruzámos a N.233 para o Ribeiro da Seta e passando a A23 pela passagem superior, descemos à Barragem da Talagueira.
Entrámos na cidade pelo Lago Artificial, eram 12h30.
Uma última paragem para a sossega (e desta vez foi mesmo um sossego) na Padaria do Montalvão, para nos refrescarmos com um par de jolas.
Foram 55 kms, numa voltinha agradável e em boa companhia.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou ora deles.
AC



Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…