Avançar para o conteúdo principal

"O Caminho dos Franceses"

Aderindo a uma iniciativa do Agnelo Quelhas, fui ontem até Figueira de Castelo Rodrigo, para percorrer em Btt o fantástico trilho do Caminho dos Franceses.
Cerca das 06h fui buscar o Nuno Dias e o Nuno Eusébio, que partilharam a minha viatura e rumámos ao local de partida desta bonita aventura.
Eram 08h15 quando saímos do parque de estacionamento do Convento de Santa Maria de Aguiar para os trilhos, inseridos nas duas dezenas de companheiros que aderiram a esta iniciativa.
Uns kms de asfalto para início e creio que a única forma de chegar à fronteira a pedalar, pois aquela zona é composta por profundas barrocas e íngremes subidas.

Passámos por Nave Redonda e parámos em Almofala para tomar café, curiosamente o mesmo café onde parei quando por ali passei com alguns amigos no GR22 ( Rota das Aldeias Históricas).
E não menos curioso que dois deles estavam presentes nesta aventura.
Já com o corpinho compensado da falta cafeínica, seguimos o nosso percurso, passando seguidamente por Escarigo, descendo para a ponte da Ribeira de Tourões, que faz fronteira com Espanha e por onde entrámos em tierras de nuestros hermanos.
Passámos depois a primeira povoação espanhola, A Bouça, descendo seguidamente à Ribeira de Puerto Seguro
Uma subida ben puxadita com informação a indicar-nos que o cansaço era bem natural, pois as placas indicavam 15% de inclinação.
E foi lá no alto que virámos à esquerda para os trilhos, que nos levaram à Povoação de Puerto Seguro, que cruzámos para darmos pouco depois início à que era a grande atração desta aventura . . . As Arribas do Rio Águeda e a passagem pela Ponte dos Franceses.
Uma descida adrenalínica em calçada romana um pouco escorregadia, levou-nos até à ponte, sob a qual corriam as águas do Rio Águeda.
A subida da outra margem, foi também ela em calçada romana.
Soberbas paisagens inundaram as nossas vistas e encheram-nos a alma com aquela imensa espetacularidade.
Já no alto e ainda a olhar para trás sobre o ombro, seguiram-se uns bonitos e rápidos estradões que nos levaram até uma povoação de curioso nome . . . San Felices de los Gallegos.
Segui-se Ahigal de los Aceiteros e lá mais à frente, Sobradillo, onde parámos um pouco para apreciar os monumentos que são história naquele lugar.
A próxima paragem seria em Fregeneda, onde chegámos com a chuva a querer estragar este belo dia de pedaladas. As ruas fervilhavam de gente com o Festival de la Almendra.
E foi ali que "abancámos" numa das várias tasquinhas, dito à nossa moda, onde comemos um excelente "bocadillo de lomo e uma cerveza Mahou com limon" debaixo de um pequeno aguaceiro que não nos conseguiu demover daquele calmo e peculiar repasto na esplanada.
Depois do almocinho e para ajeitar bem a comidinha, seguiram-se um par de single tracks que puseram um sorriso de orelha a orelha em toda a rapaziada. Um espetáculo!!!
Estávamos já nas encostas do Douro, pois abdicáramos da passagem pelas pontes da desativada via férrea. Uma sensata decisão do Agnelo, que eu partilho plenamente!!!
A descida da encosta até Barca D'Álva, foi adrenalínica.
A povoação fervilhava também de gente e com as ruas repletas de feirantes e, foi giro, cruzarmos o mercado de bike pelo meio das tendas.
Depois foi a parte mais dificil para a maioria da rapaziada a longuíssima subida, quase até ao ponto de partida. Porém, pessoalmente adorei. Foi fantástica, serpenteando por aquele imenso barrocal.

Depois de ter arrumado a bike e mudado a roupa suada da longa subida, fui até ao bar do Intermarché beber um par de "jolas" na companhia do Nuno Dias, que infelizmente não pode pedalar connosco, derivado a uma queda inicial quando pretendia fazer um pequeno clip de filme da partida da malta.
Acabou por regressar depois de tomarmos o cafézinho em Almofala.
Foi um dia fantástico, na companhia dum grupo animado e bem disposto durante os 86 kms desta bonita aventura.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
.o0o.
Clip de filme

Comentários

Agnelo disse…
Muito bom, fotos e filme 5 estrelas. Obrigado pela companhia. Venha a próxima aventura para reunir de novo a malta.
Abraço

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…