Avançar para o conteúdo principal

"Rosmaninhal"

Como préviamente combinado com o Jorge Palma, hoje fomos até ao Rosmaninhal . . . uma aldeia enorme, antiga vila, de largas ruas e casas pobres, situada numa região de aspeto extremamente rústico e isolado.

Saímos da cidade pelas 08h e rumámos ao Ladoeiro, com passagem em Escalos de Baixo.
Na aproximação a esta aldeia, encontrámos o Ti João dos Escalos que seguia ao encontro da rapaziada que se costuma juntar na Rotunda do Continente.

Fez-nos sinal de paragem e pediu-nos a opinião sobre uma fissura na forqueta da sua bicicleta.
Ao ver aquilo fiquei surpreendido e preocupado com a integridade física daquele octogenário amigo e ainda fogoso pedalante.

Ambas as hastes da forqueta apresentavam fissuras e davam a indicação que poderiam partir a qualquer momento.

Aconselhámo-lo a voltar a casa, pois estava a umas escassas centenas de metros e pedir que lhe levassem a bike á oficina. Ainda tentou ir assim até Castelo Branco, mas conseguimos demovê-lo.
Se até ao Ladoeiro o vento já dera uma indicação do que seriam as dificuldade de chegar ao Rosmaninhal, a partir dali, foi um suplício com o forte vento sempre de frente, pois a zona era bastante descampada e pouco arborizada.

Mas lá chegámos, parámos no café à entrada, para nos alimentarmos e tomar a matinal dose de cafeína.

Seguimos depois em direção ao Côto dos Correias, numa estrada panorâmica, com uma envolvente espetacular. Uma pequena aldeia cuja única rua é a estrada que a atravessa, entre bonitas construções em xisto.

Rápidamente descemos à ribeira das Cegonhas, que cruzámos para apanhar a também bonita estradinha panorâmica para Monforte da Beira, após descida ao Rio Aravil, numa zona de onde guardo tantas recordações, na passagem do rio e em jornadas de pesca e de caça, de há muitos anos, quando ainda era um velho e poeirento caminho.

Em Monforte fizémos nova paragem no Café do Joaquim Padeiro e ali comemos mais qualquer coisa para afrontar os últimos 24 kms e cujo final "arfante" não conseguimos evitar.

Eram 13h quando entrámos na cidade, com 101 kms pedalados, hoje bastante dificultados com o vento, mas gratificantes pela paisagem, pelo isolamento e quietude daquele recanto de aspeto rústico e isolado e pela companhia do amigo Jorge, com quem particularmente gosto de pedalar, pela sua filosofia e forma como desfruta destas lúdicas manhãs de cicloturismo.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…