sábado, 3 de março de 2012

"Serra da Murracha"

Ontem, fui de novo para a "vadiagem"!!!
Levantei-me e fui por o nariz de fora para ver se chovia. Algumas nuvenzitas espalhadas, mas não me pareceram ameaçadoras.
Bora lá então. vamos para o campo!!!
Peguei no "tanganho", meti-o na caixa da "ramona" e fui até à zona industrial de Idanha-a-Nova, onde estacionei.
Entrei no Restaurante "O Moinho" e logo ali, satisfiz as minhas necessidades cafeínicas, com a malguinha da praxe.
Preparei a bike e restante material e aí vai ele pedalar para o campo.
Tomei a direção do arraial do Monte do Sanga e desci à foz da Barroca da Canada, com uma espetacular visão sobre a Barragem Marechal Carmona.
Aí, entrei numa espetacular sequência de trilhos e single tracks, sempre com uma ampla visão sobre o vale e pelo Rio Torto até Proença a Velha, onde não entrei, continuando em direção a Medelim, também com um bom punhado de single tracks e novamente com a companhia do Rio Torto e lá mais á frente, a Ribeira da Aldeia de João Pires.
Entrei em Medelim e de novo os single tracks encheram as minhas pedaladas de adrenalina, agora em direção à Serra dos Alegrios.
Passei as faldas da serra pelos Carvalhais e ladeando Monsanto, lá fui com rumo a Penha Garcia, onde aquela espetacular visão da aldeia cravada na montanha, deixa marca, para quem gosta destas andanças da natureza.
Parei em Penha Parcia para comer algo mais sólido e pelo PR7 pedalei por ali nuns bonitos trilhos, cruzando seguidamente a estrada já em direção à Serra da Murracha, que lá ao longe, mostrava um ar algo ameaçador, para quem ía com intenção de pedalar pela sua cumeada.
Até lá, os trilhos foram essencialmente rolantes, o que facilitou um pouco a aproximação à serra.
Mas quando comecei a subir, vi logo que ali ía dar cabo do "canastro". Uma boa inclinação e piso com pedra roliça, não eram uma boa visão.
E de fato, cá o rapazinho teve mesmo que desistir. Não fui capaz de chegar ao topo "a cavalo no tanganho" e deixei essa tarefa para as sapatilhas. E até essas tiveram alguns escorreganços até chegar lá acima.
Parei lá no alto, comi algo e apreciei a bonita paisagem para ambos os lados da serra.
Num sobe e desce suave lá passei a cumeada e depois, foram aquelas duas descidas que compensaram o pequeno passeio pedestre.
Embrenhei-me seguidamente pela mata de eucaliptos e pinhal até chegar a Alcafozes, onde efetuei nova paragem para me alimentar.
A Serra da Murracha já estava no papo. De Alcafozes até à Barragem Marechal Carmona pedalei pelos trilhos já sobejamente conhecidos e depois de cruzar o paredão, segui um trilho que ladeia aquela secção da barragem até à barroca que dá acesso ao Monte da Vigia.
Já estava às portas de Idanha e o empeno já estava a querer entranhar-se no corpinho, com as pernitas já em desacordo com o cérebro, mas, ainda deu para chegar até à "ramona".
Contas feitas, foram 93 kms por belos trilhos e fantásticos single tracks, com as paisagens a contrariarem a monotonia, com sua constante e contrastante beleza.
Amanhã vou com a malta até às Encostas do Douro, numa iniciativa do Agnelo e para a semana, se o tempo o permitir e as pernitas recuperarem, vou dar uma escapadinha, com uma passagem fugaz na Serra da Estrela, cá bem para baixo.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
.o0o.
Clip de filme.

1 comentário:

AmigosDoPedalABTTeam disse...

Boas meu caro!

Mais um excelente relato...que bem que sabe ler as sempre deliciosas aventuras que partilha com a malta! As fotos compravam que fez um excelente passeio por uma das muitas bela zonas que temos por cá para prática deste nosso bichinho...

um abraço, boas pedaladas!
Ass. Ricardo Almeida