Avançar para o conteúdo principal

"Atalaia do Campo"

Na segunda feira fomos para sul, hoje fomos para norte.
Pelas 08h00 lá abandonámos o nosso amado burgo em busca de duas ou três horinhas descontraídas pedalando pelas estradinhas cá do nosso condado, contrariando o stress e a monotonia.
O vento, mais ao jeito de vendaval, soprava forte e frontal, dificultando as habituais conversetas com o meu companheiro de pedal.
Enquanto seguia na sua roda de vez em quando e ia espreitando a paisagem que nos rodeava, num dos meus flashes de memória, dei comigo a pensar numa das célebres frases de Antoine Rivarol, que terá ficado guardada num qualquer cantinho da minha já fragilizada memória, vá-se lá a saber porquê, com a seguinte citação:- "Circula no mundo uma inveja velocí­pede que vive de intriguinhas: chama-se maledicência. Diz estouvadamente o mal de que não tem certeza, e oculta o bem de que tem evidência." 
A velhice tem lá "porras"  . . . lembramo-nos de cada uma!!!
Posto isto, já tinhamos passado Caféde e estávamos já à porta do café "Flôr do Outeiro" na Póvoa de Rio de Moinhos.
O pastelinho de nata e a malguinha de café quente fizeram-me esquecer estes pensamentos da "treta e da família dos arreliantes" e as banais conversetas com o meu companheiro de pedal tinham voltado à normalidade.
Talvez por isso, por ali estivemos em trabalho verbal quase uma hora, até que nos lembrámos que afinal tínhamos saído de casa para dar uma volta de bicicleta e não para dar ao "lambarão!"
Voltámos à estrada e seguimos para a Barragem da Marateca, hoje menos bela, com águas agitadas, ou malagueiro, como se diz à moda marinheira, não esquecendo, como marinheiro que fui, que hoje é o dia nacional da Marinha.
Passada aquela extensa bacia hidrográfica fomos até à Soalheira, onde viramos o azimute à Atalaia do Campo pela panorâmica estradinha que se inicia junto ao apeadeiro da Soalheira.

"Como terra portuguesa, a Atalaia terá visto chegar os seus primeiros povoadores efetivos em 1212, por concessão dos donatários D. Joanes e sua mulher Maria Pires, que moravam em Castelo Branco mas, que nessa data já teriam algum aposento em Atalaia."

Cruzamos a Ribeira de Alpreade pela Ponte Romana, ladeada por um lagar de prensas hidráulicas que mantém a forma primitiva mas em avançado estado de degradação e seguimos em direção à capela de Santo António, onde fletimos à direita em direção às Zebras.
À entrada da povoação seguimos em direção à Lardosa com passagem pelo Vale da Torre.
Na Lardosa resolvemos seguir para os Escalos de Cima e pelos Escalos de Baixo, última povoação por onde passámos, seguimos diretos à cidade, chegando ainda cedo e com tempo suficiente para a ansiada "abaladiça" na esplanada do Café Lusitano, um dos nossos preferidos, quando a entrada é feita pela zona norte.
75 kms, uns bons momentos de conversa amena, estradinhas panorâmicas e paisagens a condizer, cafézinho e pastelinho de nata e a jolinha final acompanhada de um belo pires de marisco à Eusébio, preencheram esta manhã pedalante, que nem o irritante vento conseguiu molestar.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …

"Augas Blancas - Rabacallos"

"Dia após dia os erros do passado perdem força e os desejos do futuro ganham corpo"
Após um primeiro dia fantástico com uma boa caminhada pelas "Pasarelas del Rio Mao", eu e a minha "Maria" resolvemos manter-nos por mais um dia na região e fazer-mos outro passeio pelas encostas do Rio Sil.
Saímos da pousada após um calmo e tranquilo pequeno almoço e fomos até Chandrexa, já nas proximidades de Parada de Sil para efetuarmos mais um passeio pedestre pelas "Augas Blancas y Rabacallos".
Estacionamos a viatura num parque defronte da igreja de Santa Maria de Chandrexa e ai demos inicio ao percurso que tinha preparado com alguma antecedência.
Por uma estreitinha estradinha "vecinal" passamos A Caseta, A Peña e Purdeus, entre bonitos bosques de castanheiros e chegamos a Calvos, um pitoresco lugarejo com situação priveligiada e panorâmica fantástica sobre o Rio Sil.
Sempre em sentido descendente e por um belo "sendero" rodeado de casta…