Avançar para o conteúdo principal

"XVI Ciclo Peregrinação ao Santuário Mariano de Fátima por estrada"

Há dezasseis  anos consecutivos que me desloco a Fátima de bicicleta, sempre no fim de semana antes de 13 de Maio, numa obstinação que me leva àquele altar mariano, não para cumprir qualquer promessa, que nada prometi, mas para agradecer o que sou hoje, o que tenho e a liberdade de dispor da minha vida como bem me aprouver, desligada de compromissos constrangedores ou fidelizações doentias.
Este ano, acompanharam-me o meu irmão Luís e o amigo Zé Almeida, que vieram da Sertã ao meu encontro.
Saí de Castelo Branco pelas 06h15 com um novo percurso delineado em direção a Fátima, passando por Sarnadas de Rodão,  Alvaiade, Perdigão, vale da Mua, Pedra do Altar e Vale do Clérigo, onde me encontrei com o meu irmão e o Zé Almeida.
Eles deram meia volta e depois de passar as Moitas, paramos no café defronte da pista de aviação para a matinal dose de cafeína e o pastelzinho de nata.
Depois de uns minutos de conversa descontraída, retomamos a nossa peregrinação seguindo pelos Caniçais, Cimeiro e Fundeiro, Vale da Carreira, Mesão Frio, Arganil, Freixoeiro e Cabo, onde jizemos um desvio à pequeno lugarejo de Robalo, onde vive o meu pai, para uma pequena visita e "molhar o bico" com um tintinho matinal para manter a bateria carregada.
Depois da pequena visita, voltamos ao percurso inicial e continuamos pela Maxeira, Chão de Lopes, Chão de Codes, Monte Cimeiro, Panascos. Venda Nova, Andreus e Martinchel, onde paramos na Padaria "A Prensa" para um abastecimento sólido. Aqui encontrei o amigo Engenheiro Edmundo, que nos fez companhia e com quem estive algum tempo à conversa, relembrando velhos tempos.
Despedidas feitas e voltamos à estrada, descendo ao paredão da bonita barragem do Castelo de Bode, com paragem obrigatória para um clic digital.
Seguimos depois pelo Bairro e Ervideira e Quinta do Falcão, onde fletimos à direita para uma estradinha mais panorâmica e com escasso trânisto, que nos levou até Tomar, por Bemposta, Marianaia, Valbom e Marmelais.
Em Tomar, fizemos uma paragem no adro da igreja de Santa Maria do Olival para uma foto de grupo e de novo junto ao Rio Nabão, que ladeia o bonito jardim da cidade para um pequeno registo digital e continuamos, seguindo agora pelo Casal das Sortes, Carregueiros, Vale dos Ovos e Alburitel, para a derradeira paragem para abastecimento sólido num snack bar local.
Fátima já estava a escassos 18 kms e perfeitamente a nosso alcance.
Seguimos para Ourém, Corredoura, Melroeira e Ourém, a última localidade de passagem ants de concluir esta nossa peregrinação.
Desta vez subimos a Fátima pelo lado mais fácil seguindo em frente. Um pouco mais longo mas menos agressivo.
Com os parques cheios e o trãnsito cortado no seu acesso, a minha Maria estacionou a viatura um pouco longe do parque nº2, onde sempre tenho ficado.
Depois do lanchinho habitual, fomos de bicicleta até ao Santuário para registar o momento com a foto de grupo.
Depois das despedidas, o meu irmão e o Zé Almeida tinham ainda 75 kms para a tingirem o seu objetivo, no regresso à Sertã de bicicleta.
Eu regressei a casa,  depois de cumprir mais uma vez a minha obstinação anual, com a ciclo peregrinação ao Altar Mariano de Fátima.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Mototurismo por "tierras de nuestros hermanos""

"A imaginação é a primeira fonte da felicidade humana"
(Giacomo Leopardi)
Hoje fui fazer um passeio de mototurismo com a agradável companhia do João e da Marta, que vieram do Fundão aos comandos duma bonita e bem cativante Benelli  TRK502.
O ponto de encontro foi nas bombas da Repsol do Lanço Grande, onde atestamos as máquinas e ingerimos a primeira dose matinal de cafeína.
Cerca das 07h30 fizemo-nos à estrada, por Ladoeiro e Zebreira, entrando em Espanha pela pequena fonteira que cruza o Rio Erges junto a Salvaterra do Extremo.
Depois duma pequena paragem para tirar uma foto ao Castillo de Peñafiel, que se ergue altaneiro no cimo de um monte formado por negra e musgosa penedia de abruptos rochedos inacessíveis.
Entramos em Espanha e, à entrada de Zarza la Mayor, viramos à esquerda ao encontro da Ex-A1, em Moraleja, que seguimos até à cidade de Plasencia.
Pelo panorâmico Vale de Jerte fomos até Valdastillas e subimos ao Piornal, pela Sierra de Tormantos, com uma paragem na C…