Avançar para o conteúdo principal

"Rota dos Lagartos 2015"

Meio 2015 está quase aí e com ele mais um dos eventos desejados da rapaziada cá do burgo . . . a Rota dos Lagartos, idealizada e organizada pelo amigo Pinto Infante.
Cada ano nos surpreende com percursos diferenciados e, este ano, não fugiu à regra e presenteou-nos com mais 52 kms de belos trilhos, recheados de bonitas paisagens.
Como já vem sendo habitual o inicio e final do percurso é junto às piscinas, onde são disponibilizados os banhos.
O Almoço este ano foi no restaurante "O Leão", junto à rotunda de acesso à Lardosa e que por motivos de força maior este ano não pude participar, com pena minha.
Pelas 09h00 foi dado o tiro de partida e a malta lá se foi encaminhando para os trilhos, inicialmente em direção ao Monte das Areias, onde viramos á direita para o Vale da Torre.
Cruzamos a aldeia e seguimos para as zebras, onde entramos pela Tapada da
Ribeira.
Com a saída a ser feita por equipas, ou aos molhinhos, a malta ia espalhada pelos trilhos. Gostaria mais que fosse em conjunto, pois não éramos assim tantos e a coisa não se tornava tão seletiva.
Estas palavras não pretendem ser uma crítica, mas apenas a minha opinião, que vale o que vale!
Depois da passagem pelas zebras tomamos a direção das Antinhas e viramos para as Barroqueiras, onde entramos no asfalto para cruzar a Ribeira do Taveiró pela sua bonita ponte.
mais à frente deixamos o asfalto e pela Barroca dos Dados subimos a S. Miguel d'Acha ao encontro dum farto abastecimento, à Pinto Infante, onde a malta roeu, moeu, comeu, bebeu e encheu o corpinho daquelas saborosas iguarias bem grelhadinhas e por quem sabe, acompanhadas de bebida à descrição, para os ateus do néctar dos deuses, e para os que praticam e com ele se deleitam. "Conta a história que, quando os deuses o ofereciam a algum humano, este, ao experimentá-lo, sentia uma sensação de extrema felicidade."

Deixando aquele local, evitando cometer o pecado da gula, rumamos ao alto dos Almogares para enfrentarmos a algo técnica descida à Quinta da Caniça, continuando continuando pelo Vale da Rosa e Fonte Nova até S. Gens, onde paramos, nas bombas locais para atestar o corpinho com uma bjeca fresquinha, pois a adrenalina da descida da Serra de S. Miguel, fez-nos perder algum líquido.
Já com os líquidos repostos, subimos à Nave Carvalho e descemos até perto dos Moinhos, onde demos início à subida à Lousa pela Nesvelha.
Da Lousa aos escalos de baixo foi um instantinho e eu por esta altura já estava a tentar ganhar tempo, pois queria estar em Castelo Branco até às 13h30, por isso segui em solitário até à Lardosa.
Depois da passagem pelo Verdelhão e ao entrar no asfalto, já não fiz a última passagem pelo trilho, seguindo direto ao final do percurso.
Foi uma bela manhã de btt, num evento em que pretendo estar sempre presente, com amoço, ou sem almoço.
Um abraço e um incentivo ao amigo Pinto Infante, para que não deixe cair este e outros passeios, por si organizados, onde o convívio, a alegria e a camaradagem ainda são parte integrante.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Pinto Infante disse…
pois bem...
a mobília é constituída por várias peças, sendo uma delas o teu nome.
é sempre com prazer receber a tua presença na companhia das duas rodas.
uma reportagem com fotos à altura bem elucidativa do que se registou.
no pelotão 2015 estiveram menos 2 companheiros e a saída tem que ser assim para ter mais piada.
a procura do trilho certo, torna-se mais engraçada.
um grande abraço, e continua a prosar neste cantinho.
do leitor assíduo
Pinto Infante

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…