Avançar para o conteúdo principal

"Pelos vales profundos da Póvoa de Cambas e Malhadancha"

Hoje apeteceu-me ir até à zona do pinhal com a minha '"ezinha" visitando algumas aldeolas meio esquecidas nos vales profundos da Ribeira da Malhadança.
Saí de casa pelas 08h00 e rumei à Taberna Seca, onde desci ao Rio Ocresa para efetuar a primeira subida do dia aos Vilares de Cima.
Aqui fleti à direita para uma sequência de estradinhas panorâmicas que me levaram pelos Pereiros, Malhada do Servo, Grade e Vale de Maria Dona até à Azenha de Cima, sem trânsito e com uma panorâmica espetacular.
Se até ali a "coisa" até estava a ser engraçada, a partir dali começou a doer um pouco com a subida ao Pião.
Pensando eu que aquela era a pior subida do dia, lá mais para a frente comecei a lembrar o "meu rico piãozinho".
No entroncamento lá no alto, segui pela esquerda pela zona da Juncosa e Vidigal e valeram-me as brutais paisagens para amenizar um pouco a coisa . . .mas sem stress! A ideia hoje, era mesmo puxar um pouco pelo caparro, pois o que me espera no próximo mês, tem tanto de dureza, como de beleza pura e selvagem.
Este fim de semana segui o Rio Coa da nascente à foz. No próximo mês irei segui o Rio Tejo desde a nascente nos Montes Universais (Albarracin) até Toledo, numa primeira parte.
Quando cheguei ao Estreito, foi um alívio, quando me sentei no café/supermercado para tomar calmamente o cafézinho matinal.
Voltei a montar a minha "ézinha ", a minha fiel companheira de muitas jornadas aventureiras e passei pelo Retaxo e Ameixoieira, antes de entrar na aldeia do Roqueiro, que cruzei até à sua extremidade, onde se encontra o disfarçado entroncamento para a Póvoa de Cambas.
A paisagem naquela zona é simplesmente brutal, rasgada pelo inclinado vale da Ribeira da Malhadancha.
Comecei a descer para a simpática aldeia de estreitas ruelas de irregular empedrado e o meu "garminzito" marcou 22% numa parte da longa e bem inclinada descida. Logo pensei . . ."Chiça", e eu que estive para dar a volta a contrário!!!  Um  belo recanto para os "KOMistas" cá do burgo.
Depois de cruzar a aldeia e bem abanadinho dos paralelos, lá cheguei ao asfalto e não tive outro remédio senão continuar sempre em sentido ascendente até Vilar Barroco, depois de passar pela Malhadancha.
Uf . . .um bocadinho para descansar, pois mais à frente, esperava-me o Vilar Barroco e o par de subidas, mais suavizadas até começar a descer para a Foz do Giraldo.
A longa descida à ponte da Ribeira do Tripeiro, voltou a por a máquina a funcionar já com a normalidade habitual e depois de passar o Salgueiro do Campo, Castelo Branco, foi um regalo para a vista, depois dos 105 kms deste meu passeio asfáltico de hoje, por locais de paisagens únicas e aldeias meio abandonadas ali para a zona do pinhal.
Amanhã vou comer um pastelito de nata a um cantinho qualquer para desemperrar o cortiço. Se fosse atleta, diria que iria fazer um treininho de recuperação ativa, mas como não sou, vou apenas fazer uma pequena passeata para descomprimir.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Mototurismo por "tierras de nuestros hermanos""

"A imaginação é a primeira fonte da felicidade humana"
(Giacomo Leopardi)
Hoje fui fazer um passeio de mototurismo com a agradável companhia do João e da Marta, que vieram do Fundão aos comandos duma bonita e bem cativante Benelli  TRK502.
O ponto de encontro foi nas bombas da Repsol do Lanço Grande, onde atestamos as máquinas e ingerimos a primeira dose matinal de cafeína.
Cerca das 07h30 fizemo-nos à estrada, por Ladoeiro e Zebreira, entrando em Espanha pela pequena fonteira que cruza o Rio Erges junto a Salvaterra do Extremo.
Depois duma pequena paragem para tirar uma foto ao Castillo de Peñafiel, que se ergue altaneiro no cimo de um monte formado por negra e musgosa penedia de abruptos rochedos inacessíveis.
Entramos em Espanha e, à entrada de Zarza la Mayor, viramos à esquerda ao encontro da Ex-A1, em Moraleja, que seguimos até à cidade de Plasencia.
Pelo panorâmico Vale de Jerte fomos até Valdastillas e subimos ao Piornal, pela Sierra de Tormantos, com uma paragem na C…