Avançar para o conteúdo principal

"Pelos vales profundos da Póvoa de Cambas e Malhadancha"

Hoje apeteceu-me ir até à zona do pinhal com a minha '"ezinha" visitando algumas aldeolas meio esquecidas nos vales profundos da Ribeira da Malhadança.
Saí de casa pelas 08h00 e rumei à Taberna Seca, onde desci ao Rio Ocresa para efetuar a primeira subida do dia aos Vilares de Cima.
Aqui fleti à direita para uma sequência de estradinhas panorâmicas que me levaram pelos Pereiros, Malhada do Servo, Grade e Vale de Maria Dona até à Azenha de Cima, sem trânsito e com uma panorâmica espetacular.
Se até ali a "coisa" até estava a ser engraçada, a partir dali começou a doer um pouco com a subida ao Pião.
Pensando eu que aquela era a pior subida do dia, lá mais para a frente comecei a lembrar o "meu rico piãozinho".
No entroncamento lá no alto, segui pela esquerda pela zona da Juncosa e Vidigal e valeram-me as brutais paisagens para amenizar um pouco a coisa . . .mas sem stress! A ideia hoje, era mesmo puxar um pouco pelo caparro, pois o que me espera no próximo mês, tem tanto de dureza, como de beleza pura e selvagem.
Este fim de semana segui o Rio Coa da nascente à foz. No próximo mês irei segui o Rio Tejo desde a nascente nos Montes Universais (Albarracin) até Toledo, numa primeira parte.
Quando cheguei ao Estreito, foi um alívio, quando me sentei no café/supermercado para tomar calmamente o cafézinho matinal.
Voltei a montar a minha "ézinha ", a minha fiel companheira de muitas jornadas aventureiras e passei pelo Retaxo e Ameixoieira, antes de entrar na aldeia do Roqueiro, que cruzei até à sua extremidade, onde se encontra o disfarçado entroncamento para a Póvoa de Cambas.
A paisagem naquela zona é simplesmente brutal, rasgada pelo inclinado vale da Ribeira da Malhadancha.
Comecei a descer para a simpática aldeia de estreitas ruelas de irregular empedrado e o meu "garminzito" marcou 22% numa parte da longa e bem inclinada descida. Logo pensei . . ."Chiça", e eu que estive para dar a volta a contrário!!!  Um  belo recanto para os "KOMistas" cá do burgo.
Depois de cruzar a aldeia e bem abanadinho dos paralelos, lá cheguei ao asfalto e não tive outro remédio senão continuar sempre em sentido ascendente até Vilar Barroco, depois de passar pela Malhadancha.
Uf . . .um bocadinho para descansar, pois mais à frente, esperava-me o Vilar Barroco e o par de subidas, mais suavizadas até começar a descer para a Foz do Giraldo.
A longa descida à ponte da Ribeira do Tripeiro, voltou a por a máquina a funcionar já com a normalidade habitual e depois de passar o Salgueiro do Campo, Castelo Branco, foi um regalo para a vista, depois dos 105 kms deste meu passeio asfáltico de hoje, por locais de paisagens únicas e aldeias meio abandonadas ali para a zona do pinhal.
Amanhã vou comer um pastelito de nata a um cantinho qualquer para desemperrar o cortiço. Se fosse atleta, diria que iria fazer um treininho de recuperação ativa, mas como não sou, vou apenas fazer uma pequena passeata para descomprimir.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…