Avançar para o conteúdo principal

" Por las dehesas de Ceclavin, Canchos de Ramiro e Ladronera"

Ontem foi dia de ir vadiar com a minha "santa" para "tierras de nuestros hermanos".
Na sempre agradável companhia do Sandro Gama e a sua fiel Mondraker, saimos da cidade pelas 06h30, já com o cafézinho no bucho e fomos até Ceclavin.
Chegamos aquela bonita aldeia espanhola, estacionamos a minha fragonete, preparamos as bikes e restante material e fizemo-nos aos trilhos.
Cruzamos parte da aldeia e entramos num panorâmico estradão que nos levou a cruzar a estrada um pouco mais abaixo para entrar definitivamente "nas hermosas dehesas de Ceclavin" a perder de vista.

Tomamos o rumo ao Rio Alagon e fomos presenteados com belas paisagens criadas pelos vaiados recortes daquele belo rio, um dos que dá corpo à imensa barragem de Alcântara.
Paramos numa das suas escarpas para apreciar aquela belíssima panorâmica, registamos o momento com a digital e continuamos o nosso passeio vadio alternando belos trilhos com variadas veredas criadas pelo gado vacum que preenchia quase toda aquela zona de imensos prados verdejante enriquecendo todo aquele fantástico colorido.
Lá nos fomos desviando de umas ou outras vacas mais curiosas e fomos cruzando os prados de esparso azinhal, agora em direção ao Pântano de Ceclavin.
Ladeamos aquela media bacia hidrográfica e um pouco mais à frente, tivemos que improvisar, pois o caminho que cruzava uma reserva de caça estava lavrado e o portão de acesso fechado.
Nada que nos apoquentasse. Aventura é aventura e esta sem uma ou outra dificuldadezita para resolver, nem seria aventura. Também gosto de por os neurônios a trabalhar de vez em quando fora da linha mestra.
A paisagem e o tipo de vegetação foi variando, conforme nos íamos aproximando da zona montanhosa.
Depois de cruzar um par de bonitos vales e cruzar alguns relevos sem grandes inclinações, entramos no estradão que nos levou ao aprazível  e ilídico lugar dos Canchos de Ramiro e Ladronera, um local que muito apreciámos e onde estivemos algum tempo gozando aquela quietude e paisagens de encanto. Não apetecia mesmo sair dali.
Regressamos ao estradão que nos levara até ali e seguimos para Cachorrilla uma bonita povoação onde paramos para beber um par de loirinhas "cañas con limon". E que bem me souberam!
Por asfalto continuamos até Pescueza, uma outra povoação não muito distante e voltamos a entrar nos trilhos.
Passamos pela estação fotovoltaica e entramos numa zona plantada de amendoeiras e figueiras, onde andamos entretidos durante cerca de 20 quilómetros, ziguezagueando por bem arranjados terrenos de cultivo, até que no nosso horizonte a aldeia de Ceclavin se mostrou perante o nosso olhar, como se de uma miragem se tratasse. Linda!
Tomamos o rumo à aldeia, onde chegamos satisfeitos e com a "barriguinha" cheia de bons trilho, brutais paisagens e a alma rejuvenescida pelos locais inóspitos e únicos, que tínhamos então cruzado.
Um excelente dia de btt, pedalando 77 kms pelos belos prados de Ceclavin, os idílicos Canchos de Ramiro e Ladronera, localizados ao longo da cordilheira montanhosa formada pelas serras de Caballos, la Garrapata, la Solana e Ladronera e onde o Rio Árrago despeja as suas águas no Rio Alagon, criando aquele lugar encantador. 
Já estou com vontade de lá voltar!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…