Avançar para o conteúdo principal

" Por las dehesas de Ceclavin, Canchos de Ramiro e Ladronera"

Ontem foi dia de ir vadiar com a minha "santa" para "tierras de nuestros hermanos".
Na sempre agradável companhia do Sandro Gama e a sua fiel Mondraker, saimos da cidade pelas 06h30, já com o cafézinho no bucho e fomos até Ceclavin.
Chegamos aquela bonita aldeia espanhola, estacionamos a minha fragonete, preparamos as bikes e restante material e fizemo-nos aos trilhos.
Cruzamos parte da aldeia e entramos num panorâmico estradão que nos levou a cruzar a estrada um pouco mais abaixo para entrar definitivamente "nas hermosas dehesas de Ceclavin" a perder de vista.

Tomamos o rumo ao Rio Alagon e fomos presenteados com belas paisagens criadas pelos vaiados recortes daquele belo rio, um dos que dá corpo à imensa barragem de Alcântara.
Paramos numa das suas escarpas para apreciar aquela belíssima panorâmica, registamos o momento com a digital e continuamos o nosso passeio vadio alternando belos trilhos com variadas veredas criadas pelo gado vacum que preenchia quase toda aquela zona de imensos prados verdejante enriquecendo todo aquele fantástico colorido.
Lá nos fomos desviando de umas ou outras vacas mais curiosas e fomos cruzando os prados de esparso azinhal, agora em direção ao Pântano de Ceclavin.
Ladeamos aquela media bacia hidrográfica e um pouco mais à frente, tivemos que improvisar, pois o caminho que cruzava uma reserva de caça estava lavrado e o portão de acesso fechado.
Nada que nos apoquentasse. Aventura é aventura e esta sem uma ou outra dificuldadezita para resolver, nem seria aventura. Também gosto de por os neurônios a trabalhar de vez em quando fora da linha mestra.
A paisagem e o tipo de vegetação foi variando, conforme nos íamos aproximando da zona montanhosa.
Depois de cruzar um par de bonitos vales e cruzar alguns relevos sem grandes inclinações, entramos no estradão que nos levou ao aprazível  e ilídico lugar dos Canchos de Ramiro e Ladronera, um local que muito apreciámos e onde estivemos algum tempo gozando aquela quietude e paisagens de encanto. Não apetecia mesmo sair dali.
Regressamos ao estradão que nos levara até ali e seguimos para Cachorrilla uma bonita povoação onde paramos para beber um par de loirinhas "cañas con limon". E que bem me souberam!
Por asfalto continuamos até Pescueza, uma outra povoação não muito distante e voltamos a entrar nos trilhos.
Passamos pela estação fotovoltaica e entramos numa zona plantada de amendoeiras e figueiras, onde andamos entretidos durante cerca de 20 quilómetros, ziguezagueando por bem arranjados terrenos de cultivo, até que no nosso horizonte a aldeia de Ceclavin se mostrou perante o nosso olhar, como se de uma miragem se tratasse. Linda!
Tomamos o rumo à aldeia, onde chegamos satisfeitos e com a "barriguinha" cheia de bons trilho, brutais paisagens e a alma rejuvenescida pelos locais inóspitos e únicos, que tínhamos então cruzado.
Um excelente dia de btt, pedalando 77 kms pelos belos prados de Ceclavin, os idílicos Canchos de Ramiro e Ladronera, localizados ao longo da cordilheira montanhosa formada pelas serras de Caballos, la Garrapata, la Solana e Ladronera e onde o Rio Árrago despeja as suas águas no Rio Alagon, criando aquele lugar encantador. 
Já estou com vontade de lá voltar!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…