Avançar para o conteúdo principal

" Por las dehesas de Ceclavin, Canchos de Ramiro e Ladronera"

Ontem foi dia de ir vadiar com a minha "santa" para "tierras de nuestros hermanos".
Na sempre agradável companhia do Sandro Gama e a sua fiel Mondraker, saimos da cidade pelas 06h30, já com o cafézinho no bucho e fomos até Ceclavin.
Chegamos aquela bonita aldeia espanhola, estacionamos a minha fragonete, preparamos as bikes e restante material e fizemo-nos aos trilhos.
Cruzamos parte da aldeia e entramos num panorâmico estradão que nos levou a cruzar a estrada um pouco mais abaixo para entrar definitivamente "nas hermosas dehesas de Ceclavin" a perder de vista.

Tomamos o rumo ao Rio Alagon e fomos presenteados com belas paisagens criadas pelos vaiados recortes daquele belo rio, um dos que dá corpo à imensa barragem de Alcântara.
Paramos numa das suas escarpas para apreciar aquela belíssima panorâmica, registamos o momento com a digital e continuamos o nosso passeio vadio alternando belos trilhos com variadas veredas criadas pelo gado vacum que preenchia quase toda aquela zona de imensos prados verdejante enriquecendo todo aquele fantástico colorido.
Lá nos fomos desviando de umas ou outras vacas mais curiosas e fomos cruzando os prados de esparso azinhal, agora em direção ao Pântano de Ceclavin.
Ladeamos aquela media bacia hidrográfica e um pouco mais à frente, tivemos que improvisar, pois o caminho que cruzava uma reserva de caça estava lavrado e o portão de acesso fechado.
Nada que nos apoquentasse. Aventura é aventura e esta sem uma ou outra dificuldadezita para resolver, nem seria aventura. Também gosto de por os neurônios a trabalhar de vez em quando fora da linha mestra.
A paisagem e o tipo de vegetação foi variando, conforme nos íamos aproximando da zona montanhosa.
Depois de cruzar um par de bonitos vales e cruzar alguns relevos sem grandes inclinações, entramos no estradão que nos levou ao aprazível  e ilídico lugar dos Canchos de Ramiro e Ladronera, um local que muito apreciámos e onde estivemos algum tempo gozando aquela quietude e paisagens de encanto. Não apetecia mesmo sair dali.
Regressamos ao estradão que nos levara até ali e seguimos para Cachorrilla uma bonita povoação onde paramos para beber um par de loirinhas "cañas con limon". E que bem me souberam!
Por asfalto continuamos até Pescueza, uma outra povoação não muito distante e voltamos a entrar nos trilhos.
Passamos pela estação fotovoltaica e entramos numa zona plantada de amendoeiras e figueiras, onde andamos entretidos durante cerca de 20 quilómetros, ziguezagueando por bem arranjados terrenos de cultivo, até que no nosso horizonte a aldeia de Ceclavin se mostrou perante o nosso olhar, como se de uma miragem se tratasse. Linda!
Tomamos o rumo à aldeia, onde chegamos satisfeitos e com a "barriguinha" cheia de bons trilho, brutais paisagens e a alma rejuvenescida pelos locais inóspitos e únicos, que tínhamos então cruzado.
Um excelente dia de btt, pedalando 77 kms pelos belos prados de Ceclavin, os idílicos Canchos de Ramiro e Ladronera, localizados ao longo da cordilheira montanhosa formada pelas serras de Caballos, la Garrapata, la Solana e Ladronera e onde o Rio Árrago despeja as suas águas no Rio Alagon, criando aquele lugar encantador. 
Já estou com vontade de lá voltar!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …