Avançar para o conteúdo principal

"Trilhos a Oeste"

Hoje, fui "vadiar" com o amigo Juca numa animada volta de btt visitando algumas das catitas aldeias da freguesia de Sarzedas.
Ainda não eram sete horas e já eu andava passeando a minha "baixota" pelas ruas do bairro das violetas, onde mora o Juca.
Ele lá apareceu à hora combinada e fomos até à padaria do montalvão para o cafézinho matinal e o meu pastelinho de nata.
Rumanos seguidamente ao Montalvão e pelo Monte da Barreira descemos ao Vale dos Gagos para entrarmos mais à frente na aldeia dos Maxiais.
A manhã estava um pouco ventosa mas nada que nos apoquentasse e com passagem pelo Vale das Quedas cruzamos a serra das Olelas para os Poços Fundos.
A aldeia dos Amarelos era o nosso próximo objetivo já com o cheiro no belo do panike de chocolate, uma especialidade da padaria daquela povoação.
Mas panike de chocolate, nem vê-lo. Ainda estava na fase de cosedura, contentando-me com uma fatia de torta para manter o sabor a chocolate.
Passámos a linha férrea mais à frente e seguimos para o Rio Ocreza, que cruzámos pela sua estreita ponte, que dá acesso às Ferrarias, onde chegamos depois de enfrentar a sua longa subida.
O Juca andava satisfeito por conhecer novos trilhos e novas aldeolas cá do nosso condado.
Descemos ao bonito vale onde se encontra o velho e abandonado lagar do carril e a velhinha ponte romana que passamos para enfrentar outra longa subida ao Vale da Pereira.
Saímos da aldeia em direção a Vale das Ovelhas, povoação que ladeamos para seguir em direção ao Lagar de Santo André e mais à frente Santo André das Tojeiras, onde paramos no café para uma bjeca fresquinha.
Depois da foto junto ao avião junto ao centro de dia daquela localidade, abandonámos santo André pelo Joaninho em direção à aldeia das Garridas, meio abandonada e subimos à Bozelha, outra pequena aldeola.
dali seguimos em direção ao vale de Ovelheiros e seguimos para os Calvos, descendo depois à Foz da Ribeira da Líria.
A paragem naquele local é obrigatória em qualquer altura do ano pela sua beleza criada pelos vales do Rio Ocreza e Ribeira da Líria.
Depois das fotos da praxe, iniciamos a subida às Benquerenças com passagem pela abandonada aldeia do Monte Baixo.
mais uma paragem para uma jola fresquinha, abandonamos a aldeia pela Quinta da Lomba e descemos à ribeira da Canabichosa para a derradeira subida qua dá acesso ao Baixo da Maria.
Já estávamos de regresso faltando apenas a passagem pela Talagueira.
Entramos na cidade pela piscina praia e fomos à "abaladiça" no mesmo sítio onde de manhãzinha tinhamos tomado o cafézinho matinal.
O Juca ficou pelas Violetas, onde reside e eu continuei, culminando esta bela e alongada manhã de btt vadio com 75 kms de boas pedaladas na companhia do Juca, um bom e resistente companheiro de aventuras campestres. 
"Tás Top Juca!" Já não é fácil arreganharem-te o dente!!!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…