Avançar para o conteúdo principal

"Las Hurdes, Las Batuecas e Sierra de Francia"

Ontem foi dia de volta vadia, na companhia do amigo Nuno Antunes, pelos exuberantes Parques Naturais de Las Hurdes e Batuecas, em plena Sierra de Francia, um espaço natural montanhoso, sinuoso, repleto de florestas e de vales escondidos percorridos por rumorejantes  correntes de água e encantadoras povoações repletas de hisória e beleza ímpar.
Saímos da cidade já depois das 06h00 em direção a Lagunilla, uma bonita aldeia ladeada pelo espetacular  Valle de Hornacinos no vasto território de Transierra.

Fizemos uma única paragem, nas bombas de combustível do Lanço Grande para a matinal dose de cafeína.
Depois de estacionar a viatura debaixo de uma árvore junto à pequena "Plaza Mayor" da povoação, preparamos as bikes e restante material e fizemo-nos à estrada para dar início a esta bonita aventura por "tierras de nuestros hermanos"
Depois de uma longa e panorâmica descida, chegamos à aldeia de Valdelagéve, sobranceira ao Vale do Rio Alagón, onde este serpenteava entre montanhas e bonitos vales a perder de vista.
Subimos depois a Sotosserrano, onde paramos numa oficina de carpintaria para meter ar nas rodas da bike do Nuno Antunes com a ajuda de um compressor, pois a pequena bomba que levávamos não atingia a pressão necessária nos tubulares. (140 psi).
 Como eu gosto dos meus pneusinhos normais e câmaras de ar!
Voltamos a descer por uma bonita estrada de bom piso até à foz do Rio Cuerpo del Hombre com o Rio Alagón, que ladeamos até Riomalo de Abajo.
Cruzamos a aldeia e agora com o Rio Ladrillar sempre ao nosso lado, pedalamos até Las Mestas, o ponto de início da primeira das grandes subidas do dia ao alto do Portillo de las Batuecas, que no seu início, tem a companhia do cristalino Rio Batuecas até ao desvio para o Monastério e aos abrigos rupestres do neolítico.
A partir daqui a subida endurece substancialmente com a primeira das suas nove curvas de ferradura, que nos vão dando uma fenomenal panorâmica sobre o Valle de Las Batuecas, frondoso e rodeado de montanhas rochosas, com todo o seu explendor nos kms finais, culminando com a entrada na provícia de Salamanca, comarca da Sierra de Francia.
Depois da foto para mais tarde recordar, descemos a La Alberca, uma pequena aldeia situada na Comarca da Sierra de Francia, que guarda todo o encanto do século XVIII.
As suas rua empedradas e os seus edifícios de madeira e pedra, serviram para se converter na primeira povoação de Espanha a ser declarada Monumento Histórico - Artístico no ano de 1940, mantendo até hoje o seu património arquitetónico intato.
Percorremos a rua principal que nos conduziu à sua lindíssima Plaza Mayor, o coração da vida de La Alberca.
Assentamos arraial numa das suas pitorescas esplanadas e ali comemos um belo "bocadillo de lomo caliente com queso" que eu acompanhei com uma fresca "caña con limon" e o Nuno com uma coca cola, enquanto desfrutávamos do prazer daquele belo momento de descontração, num lugar de beleza ímpar.
Saímos daquele belo lugar pelas suas lindíssimas "calles" e tomamos o rumo a El Madroñal uma pequena povoação situada num bonito vale em pleno parque natural.
Passamos a aldeia e fomos até Cepeda, uma povoação muito antiga, cravada numa encosta que domina todo o vale fértil e de vegetação luxuriante.
Um conjunto urbano de arquitetura rural serrana, de ruas estreitas e labirínticas, com a suas casas aglomeradas e construidas conforme a tradição .
Subimos seguidamente San Martin del Castañar, uma aldeia situada sobre uma Atalaia, dominando o curso do Rio Francia.
É uma povoação de arquitetura popular, muito bem conservada, com as suas apertadas ruas, pequenas e acolhedoras.
Depois de uma visita por essas encantadoras ruas, abandonamos a povoação e divertimo-nos numa longa e panorâmica descida até às Pontes del Rio Alagón.
Aqui iniciámos a segunda grande subida do dia até Cristóbal de la Sierra, uma longa ascensão para desfrutarmos, depois da fantástica panorâmica dos Vales de Béjar, para onde descemos.
Depois de percorrer uma longa reta, viramos à direita para La Calzada de Bejar, uma peculiar e interessante aldeia, situada no caminho da Via de La Plata, onde paramos num pitoresco bar para uma bebida fresca.
Por uma estreita estradinha, percorremos o Vale da Via de La Plata até Montemayor del Rio, uma lindíssima vila coroada com o seu altaneiro Castillo de San Vicente e ladeada pelo Rio Cuerpo del Hombre, uma visão fantástica no meio de uma paisagem idílica na impressionante cordilheira da Serra de Bejar e rodeada por um imenso bosque de castanheiros.
Saímos daquele idílico local depois de atravessar a ponte sobre o Rio Cuerpo del Hombre, para enfrentarmos mais uma subida, esta de suave ascensão, para nos adentrarmos numa estreita estrada panorâmica, muito sombreada e de uma beleza que nos fez gozar ao máximo aquelas já longas pedaladas.
Para coroar esta nossa aventura, tivemos que enfrentar a derradeira subida com a ascensão do Puerto del Cerro, longo e ainda assim prazenteiro, com a sua beleza paisagística repleta de densas florestas de carvalhos e castanheiros.
Já no alto e com Lagunilla à vista, foi um instantinho enquanto chegamos à aldeia que horas antes nos tinha visto partir para esta bonita aventura, que completamos após 124 kms de imenso prazer, por vezes de sofridas pedaladas, de visita a povoações de rara beleza e de deleitar a vista com paisagens impressionantes e de beleza única.
A companhia do amigo Nuno Antunes ajudou a completar esta aventura, com a sua amizade e companheirismo, também ele desfrutando e bem, desta aventura pelas longas e fenomenais serranias dos Parque Naturais de Las Hurdes, Las Batuecas, Serra de Francia e Cordilheira de Bejar.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…